quinta-feira, dezembro 21, 2006

O Regresso dos Mortos-Vivos


Pois é... algum cientista louco deve ter inventado uma máquina pós-apocalíptica que ressuscita os mortos! Era uma questão de tempo até algo semelhante acontecer, mas finalmente aí a temos!
Há uns meses atrás foram os Delfins, banda da qual ninguém ouvia falar (logo estavam mortos) desde 1997, com "O Concerto Mais Pequeno do Mundo" que gravaram para a Rádio Comercial. Agora até têm um site "biónico" em que podemos escolher entre a Versão 1.0 ou 2.0 dos rapazes... Terão sido vítimas de conservação em formol ou de criogenização?
Mais recentemente assistiu-se à ressurreição de André Sardet através da massiva e enjoativa divulgação, nas rádios, do concerto acústico com a música "Foi Feitiço"! Depois disto, é vê-lo com a agenda cheia de concertos e até já dá entrevistas na TV a dizer que o caso dele "devia ser estudado"... enfim, um poço de modéstia!!!
Ou seja, com estas duas ressurreições, messianizam-se os artistas em causa que, quais Jesus Cristos, regressam dos mortos para a seguir subir aos céus (espero que com um belo fogo-de-artifício)!
Se a moda pega, ainda vamos assistir ao reaparecimento dos "Da Vinci" (Suma-se!)...

Em jeito de conclusão/profecia, espero que a merda da máquina seja destruída, que o "cientista" seja fuzilado ("sem direito a julgamento, sem direito a júri, direitinho à execução!") para citar o Vincent Vega e que o fogo-de-artifício seja organizado pela ACERT, uma vez que já estão habituados a queimar e rebentar o Judas!

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Anedota do Dia

Contaram-me esta há "cerca de alguns minutos", por isso ainda deve estar fresquinha. No entanto, já muita gente a deve ter ouvido com mais ou menos variações!
A: Este ano o Menino Jesus vai passar frio!
B: Ai sim, então porquê?
A: Porque a vaca e o burro abandonaram o presépio!
B: Ora essa, e para onde se dirigiram?
A: A vaca para o Ministério da Educação e o burro para a Presidência da República!

É sempre um bocado pueril usar estes lugares-comuns para insultar os outros mas mesmo assim achei piada!



Contra o fim da Sic Comédia

No post abaixo "descasquei" na TV Cabo pela decisão unilateral que tomou ao decidir o fim das emissões da Sic Comédia!
Neste aproveito para divulgar A PETIÇÃO que está a ser assinada e que vai ser enviada à TV Cabo contra o fim da estação!
Peço a todos os que gostam da programação do canal (como eu), e aos visitantes do blog que a assinem ou que a divulguem via email pois é a única forma forma de que dispomos para mostrar o nosso descontentamento!
Para além disso, se não fosse a Sic Comédia eu nunca teria feito posts como ESTE, ESTE e mais ESTE!

Obrigado a todos!

sábado, dezembro 02, 2006

Cada vez me arrependo menos!

Há cerca de uns meses atrás, resolvi terminar o contrato com a TV Cabo. Não para mudar para a concorrência, mas porque achei que a paciência (a minha) e a prepotência (da empresa) também têm limites. E ambas foram para além desses limites.
A principal razão foi financeira: comecei por pagar 17,50€ de mensalidade em Novembro de 2004, e em Abril de 2006 já pagava 22,49€ sem que o serviço (Clássico) se tivesse alterado (os 40 canais). Para além disso, pude concluir que a empresa mudava os canais quase como quem muda de camisa (sempre que lhes dava mais "jeito"). O exemplo mais flagrante foi a substituição do canal GNT que apresentava, essencialmente, a programação da Rede Globo, pelo canal TV Record. Nessa altura, houve bastantes protestos por parte dos utilizadores que não ficaram satisfeitos com a troca (ninguém gosta de mudar para pior), muitos deles por pertencerem à crescente comunidade brasileira em Portugal, outros por terem alguma espécie de ligação à cultura daquele país, outros ainda por apenas gostarem de ver o que se faz por aquelas paragens...
Apesar dos protestos que se fizeram sentir nessa altura, é bom ver que o rumo da empresa, um pouco à semelhança dos matarruanos criados pelos Gato Fedorento, "seguiu, seguiu, seguiu..." Desta vez, como "resultado de um processo de avaliação da actual oferta de canais SIC no cabo, a SIC e a TV Cabo acordaram:
na continuidade da emissão do canal SIC Mulher, como objectivo de reforço da qualidade da programação;
no fim da emissão do canal SIC Comédia a partir de 31 de Dezembro 2006." como se pode ler no site da empresa. E é a única informação de que dispomos acerca do assunto, para além das barras informativas que vão passando durante a programação, porque no site do canal nem sombras do fim anunciado.
Mais uma vez e sem consultar os utilizadores que pagam as mensalidades, a TV Cabo toma uma decisão que vai afectar esses mesmos utilizadores, quer gostem ou não do canal. Aos que não gostam pouca diferença lhes fará, até porque o canal vai ser substítuido por amostras de vários canais do pacote Funtastic Life (o pacote “topo de gama” da TV Cabo). Assim, a TV Cabo acaba com um canal que não dá lucro e mostra aos espectadores que há canais muito melhores para quem esteja disposto a pagar uma mensalidade mais alta!
Os que gostam perdem programas como "Everybody Loves Raymond", "Seinfeld", "Allo Allo", "Benny Hill", "Comedy Inc.", "Smith & Jones", "My Hero", "The Tonight Show with Jay Leno", "Late Night with Conan O'Brien" and so on, and so on... ou seja, séries do melhor que se faz em termos de comédia por esse mundo fora!
O melhor de tudo, e segundo o comunicado emitido pela TV Cabo, esta decisão de não renovar o contrato com a Sic Comédia teve em conta "a diversidade da oferta actual da TV Cabo nesta temática, que já disponibiliza os maiores e mais recentes êxitos do mercado, tanto através dos novos canais de séries e entretenimento (AXN, Fox, Fox Life, People& Arts), dos conteúdos da própria SIC (SIC Mulher e SIC Radical) bem como da programação de canais generalistas". Diversidade? de séries cómicas? nos canais referidos? - claro, e o Holocausto nunca aconteceu!

É de bradar aos céus (no mínimo)! Mas pode-se sempre agradecer ao Francisco Penim!
Se queriam realmente prestar um serviço decente, punham os utilizadores a pagar por cada um dos canais, escolhendo cada um quantos queria ter e arrumava-se de vez o assunto!

sábado, novembro 25, 2006

Cenas da Língua


Andava eu a navegar pelo Netprof, à procura de materiais de apoio às aulas, quando encontrei um texto a elogiar o serviço público que a RTP efectua todas as sextas-feiras, logo a seguir ao Telejornal, com o programa "Cuidado com a Língua".
Ora:
porque gosto do programa e da maneira como está elaborado;
porque defendo a correcta utilização da Língua Portuguesa (Estão a ficar desconfiados?);
porque já AQUI manifestei o meu repúdio por aqueles que a querem "assassinar" (Hmm! muito suspeito!);
porque sou professor de Língua Portuguesa (Ah! está esclarecida a imparcialidade!);
resolvi postar o texto, visto que ao Netprof só pode aceder quem é professor e possui um login/palavra-chave.
Até pode parecer pedantismo da minha parte (partilhar aqui o texto, qual pedagogo esclarecido) mas, em minha defesa, devo dizer que nem todas as iniciativas respeitantes à LP me agradam: acho o Campeonato Nacional da Língua Portuguesa e o Plano Nacional de Leitura, por exemplo, uma autêntica palermice!
Mas, vou-me deixar de tretas e cingir-me ao essencial:

"A RTP lembra-se do português escrito e falado

Erros de toda a espécie lêem-se e ouvem-se constantemente nos «media». Os jornais e revistas, as rádios e as televisões não ajudam o Ministério da Educação, as famílias e os cidadãos, no que diz respeito a «boas práticas» no uso do português (e o Ministério não se ajuda a si mesmo). As televisões, pela sua desmedida influência nos nossos costumes, têm pesada responsabilidade, tais são os disparates de português (e de outras disciplinas e matérias) que o utente pode ou não detectar.
Após décadas de indiferença (só os velhos recordam as «Charlas Linguísticas» de Raul Machado), a RTP dá um sinal de sensibilidade ao problema, com o programa «Cuidado com a Língua!», da autoria de José Mário Costa (responsável pelo sítio ciberduvidas.sapo.pt). É emitido às sextas-feiras (21h) e retransmitido na RTP-África e na RTP-N (sábados, 22h) e na RTP Internacional (terças-feiras). Embora a duração seja curta (10 minutos) e a periodicidade semanal, tem privilégio de «horário nobre» e leva a crer que um canal de serviço público pode reconhecer que pecou e está disposto a emendar-se. Dir-se-á que esta TV (e as outras) devia submeter a totalidade dos programas, e não um só, ao crivo da exigência e a normas aceitáveis de competência linguística. Mas não sejamos maximalistas nem utópicos; já é positivo que uma estação se comece a preocupar, como é seu dever, com a defesa do consumidor contra a interminável cadeia de erros ou, muitas vezes, de rotundos disparates, que vão das legendas de filmes e séries até ao modo como são pronunciadas palavras estrangeiras e mesmo portuguesas.
«Cuidado com a Língua!» nasceu da proposta, feita por José Mário Costa ao director de programas Nuno Santos, de contrariar o «abastardamento do ensino (e o que se sabe do clamoroso índice de reprovações na disciplina de Português no ensino básico e secundário) e do nivelamento tão por baixo de como se escreve e fala nos diversos órgãos de comunicação social» (cito a sinopse do programa). O público-alvo (e aqui não sigo o texto da sinopse) é toda a gente, nos países onde se fala português, especialmente aqueles em que é língua oficial. A concepção do programa vai no sentido de evitar a aridez, a solenidade ou a chatice. É apresentado por um actor conhecido, talentoso e simpático - Diogo Infante, interpretando cenas construídas para o efeito ou apresentando as «da vida real», ricas na asneira e no ridículo. É filmado em exteriores - em vez de pôr um senhor diante de uma secretária num estúdio - e recorre a pessoas «normais» em situações usuais. Cumpre o objectivo de ser um «espaço de programação» didáctico, informativo e lúdico, detendo-se em palavras e expressões portuguesas - das quais explica origens e significados, apontando erros e acertos, questionando «modismos» e «barbarismos», notando diferenças entre o português de Portugal e outros. Principalmente atento à escrita, não omite a língua falada, contemplando diferenças entre nós e noutros «lusófonos». Ouvimos por exemplo Bagão Félix explicar como se pronuncia o seu último apelido. Capaz de autovigilância, o programa não se esquiva a reconhecer os seus próprios lapsos, como o fez ao corrigir «Joviana», que tinha grafado como «Juviana», e aproveitando para explicar a relação desse nome com «Jove» (Júpiter). As emissões até agora vistas (sete com a de ontem, faltando seis nesta 1.ª série) fornecem material para numerosos comentários. Os meus seriam, em geral, de concordância. Recomendo apenas alguma prudência nos aportuguesamentos; é duvidoso que da pronúncia de um nome árabe (aliás variável, conforme os falantes e os dialectos) decorra automaticamente a sua grafia, e pode haver quem pense que «alcaida» é a mulher do alcaide e não «al-Qaida» (ou al-Qaeda»), «a base»."
Francisco Belard

P.S. - (1) Adoro ouvir o Luís Filipe Vieira a dizer que viu "rapazinhos a correrem" (sic)
P.S. - (2) Este post foi elaborado sem a presença de gralhas, erros de ortografia, sintaxe, pontuação ou concordância, exceptuando a citação do LFV.

sexta-feira, novembro 17, 2006

Acreditem que é verdade


Depois de ter passado em revista alguns dos jornais desta 5ª feira, cheguei à conclusão que não foram só as temperaturas que baixaram! As águas (do Ministério da Educação) começam a ficar agitadas, mesmo que para isso seja necessário desassoreá-las pela força da chuva que tem caído! Digo isto porque apesar da vontade do ME em enfiar a "cabeça na areia", os problemas estão aí (e começam a bater-lhes à porta com mais regularidade e intensidade).

Mas, vamos por partes: em primeiro lugar, é importante referir que a contestação à Sra. Ministra e seu séquito tem vindo a aumentar não só pela parte dos professores mas também de alunos e até mesmo dos pais! É claro que a face mais visível desta oposição tem-se mostrado nestas duas últimas semanas e fica-se a dever à paragem feita pelos professores na semana passada (9 e 10), pela vigília feita em frente ao ME (desde dia 15 e ainda a decorrer) e pelas acções de luta levadas a cabo pelos alunos durante o dia de hoje (16).

Em segundo, convém explicar que todo este salsifré se deve, em grande parte, à revisão do Estatuto da Carreira Docente (ECD) que, entre outras coisas bonitas de se ver, prevê a divisão da carreira de professor em duas categorias: professor e professor titular, bem como a introdução de quotas para aceder à segunda e mais elevada. Como se não bastasse, ainda pressupõe a avaliação do desempenho dos professores dependente de critérios como os resultados escolares e as taxas de abandono dos alunos. Mas nada disto é novidade!

Mesmo assim, atrevo-me a dizer que em vez de proporcionar aos professores uma carreira - na verdadeira acepção da palavra - este ME e este governo preferem impedir que isso aconteça, se isso significar poupar uns trocos ao fim do ano! (Como se costumava dizer quando eu era petiz: "Assim não brinco! Pego na bola e vou para casa!") No entanto, quem assume esta posição é o governo e não os desgraçados dos professores que estão a ser "comidos" por todos os lados, uma vez que da parte deste ME só se têm visto imposições e nenhumas negociações! Aliás, ninguém me consegue convencer de que as "negociações" com os sindicatos só se continuam a realizar porque estão previstas na lei, senão, até isso tinha sido suprimido!

Porém, se tudo isto já parece mau, na minha opinião, o pior ainda está para vir... visto que este ECD se aplica aos professores que já têm uma carreira construída (por mais pequena que seja) e também aos que ainda nem sequer a começaram! E aqui é que (passe a expressão) "a porca torce o rabo"! Se até aqui já era difícil aos professores encontrarem um posto de trabalho fixo, com a entrada em vigor deste ECD (já para 2007) é mesmo para esquecer! Para além disso, e porque os professores desempregados representam cerca de 10% dos 457 mil trabalhadores que em Portugal estão desocupados, o Governo insiste em propagandear a descida da taxa de desemprego como a saída para a crise. Nem vale a pena estarmos com rodeios: a taxa de desemprego está a ser falseada com o objectivo de criar a ilusão de que a economia está a crescer... e já se sabe que a economia só cresce com base na confiança! (Mas se calhar estou a apontar só o óbvio...)

No caso concreto dos professores é muito simples desmontar o engano: vamos supor que na escola X é necessário um professor de Língua Portuguesa (para leccionar 4h semanais) e outro de Inglês (com a mesma carga horária). Como é que o ME resolve o problema da escola e o do desemprego ao mesmo tempo? "Elementar, meu caro Watson!" - diria Sherlock Holmes. Em vez de abrir uma vaga de 8h semanais para os licenciados em Português/Inglês (que podem leccionar as duas disciplinas), OBRIGA a escola a abrir dois concursos diferentes, um para cada horário, empregando, assim, duas pessoas em vez de uma!


"É ou não é do catano, caraças?"

sábado, novembro 04, 2006

Mas quem é o gajo?

Será descendente de Nietzsche, Kant ou mesmo de Agostinho da Silva? Estas e outras perguntas andam-me a atormentar já desde a semana passada (altura em que vi pela primeira vez o fim de um episódio da novela Jura, em exibição na SIC).
Para quem não sabe, enquanto passa a ficha técnica da referida novela, ouvem-se os pensamentos profundos de um "filósofo existencialista" com um discurso marcadamente retórico, que nos apresenta oralmente os "momentos altos" do episódio desse dia e abre-nos uma fresta dos episódios seguintes!
Vai daí resolvi lançar um desafio aos caríssimos leitores (os 4 ou 5 que têm pachorra para nos aturar) pois pode ser que juntos consigamos descobrir quem é este "amigo do saber" e dá-lo a conhecer ao país, quem sabe ao Mundo e talvez à Europa?

quarta-feira, outubro 25, 2006

The "cat" is back!

Perderam-se recentemente "quatro betos da Avenida de Roma" (a expressão não é minha mas acho-lhe uma certa piada) cujo paradeiro permanece desconhecido! Sabe-se apenas que rumaram aos estúdios da RTP, onde se terão disfarçado de pseudo-banda-com-pretensões-a mandar-um-estilo-do-caraças-e-a pôr-as-miúdas-malucas!
Quem quiser saber mais informações acerca deste novo projecto, pode sempre consultar o site que o canal lhes dedica; ou então podem ver os vídeos promocionais (ESTE, ESTE e mais ESTE) que já passam na RTP!
Para os encontrar, basta ligarem os vossos televisores no próximo Domingo, 29 de Outubro às 21:30!

Miau!

domingo, outubro 22, 2006

"Runaway" para os funknáticos!

Aí está a nova dos Jamiroquai!
Como tenho uma panca por esta banda resolvi postar não o videoclip mas sim a performance da banda nos Vodafone Live Music Awards, porque o potencial de qualquer banda vê-se in loco!

Este Jason Kay é uma dancing queen! (o que o safa é ter pinta a abanar a peida)

domingo, outubro 15, 2006

"Silencio...no hay banda."

Sobre a corrupção instalou-se o silêncio...porque as palavras movem montanhas mas parecem nada fazer contra a corrupção, o silêncio apenas fecha o circo para o público...mas continua nos bastidores.

Conjuntura


Acho que se eu disser que o político é um "animal" que se adapta às circunstâncias ninguém estranhará, logo ninguém estranhará que nesta conjuntura Sócrates tenha feito questão de associar a sua imagem de forma mais directa à questão do aborto. Ora se Sócrates propõe o referendo ao aborto é porque sabe que provavelmente ganhará, assim como sabia que ao propôr Soares este perderia...mas até dava jeito. A questão é que este precisa de uma vitória, precisa de algo que silencie o descontentamento por algum tempo. "O fim da linha" para Sócrates não será necessariamente uma derrota eleitoral, será sim o fim de uma época de prosperidade simulada, será uma época em que nem os próprios "media" que simulam esse contentamento o vão fazer. Desconfio assim que vai começar um nova época, (ou terá já começado) as "infelizes declarações" de Manuel Pinho serão talvez uma precipitação estratégica, quer no sentido de pôr meio país a falar do acessório, quer no sentido de deixar uma aura de bons tempos no ar. Este PS é um partido tecnicista no que concerne à sua relação com a comunicação social, avisa-nos que somos despesa para depois nos cobrar, avisa-nos da insustentabilidade para depois "reformar", avisa-nos numa estratégia "Bushiana", faz soar os alarmes para depois não haver discernimento para ponderar seja o que for, o suficiente para que um simples controlo de despesas passe por reforma.

A conjuntura é assim um agente abstracto que tem uma relação de amor-ódio com os políticos, umas vezes é a desculpa generalizada para todas as patifarias, outras é materialização generalizada do descontentamento que obriga a sacrifícios.
Seja como for, a relação é do agrado do político quando assume a forma de objecto e de desagrado quando exige compromissos por parte do mesmo.

P.S. Na figura está simbolizada a capacidade do "animal" se moldar, se adaptar às cirscunstâncias, talvez seja o político o melhor discípulo de Darwin.

terça-feira, outubro 10, 2006

A favor da despenalização do aborto

Camaradas

É desta

O combate à corrupção é prioridade nacional...estou mesmo convencido, desta é de vez.
No entanto para combater a corrupção provavelmente vai ter de se recorrer à magia em alternativa à quebra do sigilo bancário. Luís de Matos já se mostrou disponível e diz que não tem mãos a medir, Linda Reis também vai dar uma mãozinha e em casos drásticos podem recorrer a macumba...e para macumba nada melhor que um economista.

Eu acho que esta até podia ser a primeira medida.

Ao menos parece que existe corrupção, já é um passo, mas tenho sérias dúvidas que este circo mediático dê alguma coisa, e estou assim porque poucas medidas concretas tem sido anunciadas e porque uma das pessoas com seriedade para fazer algo está na periferia do PS. Cravinho está sozinho, não admira. Este circo mediático serve principalmente para desgastar o governo, estamos no ano crucial, é agora que o circo mediático tem de começar e nada melhor do criticar o pacto de Justiça entre os dois alvos a abater, Sócrates e Marques Mendes.

Que comece o espectáculo e que fique para depois democracia...sim porque o combate à corrupção é um combate pela democracia.

terça-feira, outubro 03, 2006

Contagiante

Ideias brilhantes!

Jovem:
és professor e estás desempregado?
sabes que não vais conseguir colocação nos próximos anos?
queres leccionar mas não sabes como?

Dá a mão ao teu autarca!
(Se lhe caíres no goto, podes sempre ganhar um rabito para lamberes nas horas vagas!)


Já nem se sente!

Podia ler-se na edição do DN de ontem que mais de metade da população portuguesa (51,7% dos inquiridos) não se sentiu «pessoalmente afectada pelas medidas de controlo das contas públicas tomadas pelo Governo». 42,9% responderam que sim, enquanto cerca de 5% preferiram não responder ou afirmaram não saber.
Ora, sabendo que para reduzir o défice, o governo implementou políticas que incluíram o aumento das taxas de IVA, ISP, Imposto sobre o Tabaco e fez convergir o regime de Segurança Social da função pública com o do sector privado, por que razão é que metade da população não sente? (Eu podia já dizer que "quem não sente não é filho de boa gente", mas vamos analisar o resto dos dados e já falamos!)
Ainda segundo o DN, "apenas os inquiridos pertencentes à classe alta e média alta afirmam que se sentem afectados pelas medidas do Governo, enquanto que, na classe média, pelo contrário, 60,9% afirmam não estar a ser prejudicados." Estranho! Será que as medidas do governo estão mesmo a atacar os privilegiados? Então e a classe abaixo da média? Não conta para efeitos estatísticos? Ah, já me esquecia, como o Barómetro DN/TSF/Marktest é realizado com recurso a cerca de 800 chamadas telefónicas, só atendeu quem estava em casa a coçar a micose! Os desgraçados dos abaixo da média como estavam fora de casa a trabalhar nem sequer se puderam manifestar! (Já para nem falar dos que nem telefone em casa têm!)
Na minha opinião, os "pequeninos" (os que não se sentiram pessoalmente afectados pelas medidas do governo) já nem se queixam por causa da insensibilidade, ou seja, o "enrabanço" do governo foi tão grande que o ânus já calejou (desculpem lá o visualismo)! Enquanto isso, os verdadeiros privilegiados dizem qualquer coisa como isto: "O governo é mau porque quer roubar aos ricos para dar aos pobres!" quando o que o governo faz é precisamente o contrário! Senão, como é que se explicam os aumentos das vendas dos carros e das casas de luxo?
Não sei porquê mas agora tive um flash onde imaginei o governo a cantar aos portugueses aquela música dos Tenacious D:

"And then I'm gonna love you completely,
And then I'll fuckin fuck you discreetly,
And then I'll fuckin bone you completely,
BUT THEN I'M GONNA FUCK YOU HARD,
HARD"

Enfim, devaneios de uma mente desesperada!

segunda-feira, setembro 25, 2006

Compromisso da treta

Há quem teime em denominar o movimento de compromisso Portugal mas parece-me claro que este é o movimento da treta, um movimento com as propostas e queixumes habituais da direita.
É preciso flexibilidade laboral, a culpa é do Estado...enfim, miúdos mimados que se pudessem faziam uma vasectomia ao pai só para não terem de dividir nada com um futuro irmão.
Bem, mas vamos lá ver o que estes putos nos oferecem:

- revisão séria da Constituição da República, de modo a que esta deixe de colidir com as formas de contratação que as modernas relações económicas internacionais exigem.

-admitir a partir de 2006 a rescisão por iniciativa do empregador, com a contrapartida de uma indemnização crescente consoante a idade e o número de anos de casa do trabalhador.

- declaração de princípios na responsabilidade de gestores

- proposta de quebra do sigilo bancário mas com vigilância apertada para quem acede aos dados


Acho que basta ler as propostas para perceber porque é que este país não está na berra em termos de empresas e gestão. Ora vejamos algumas ideias:

- Propõe a alteração da constituição para flexibilizar o regime laboral mas depois anunciam uma "declaração de princípios" para a responsabilidade dos gestores, ou seja naquilo que afecta aos direitos laborais faça-se lei, naquilo que afecta à responsabilidade os gestores escreve-se uns rascunhos e logo se vê.

- Falam em flexibilidade laboral e depois cheios de "boa vontade" anunciam vantagens para quem tenha "muitos anos de casa"...acho que nem preciso de dizer mais nada. Além disso por iniciativa do empregador o que é salutar, por acaso, já agora, também gostava de um regime laboral em que os trabalhadores estipulassem os seus salários, também me parece boa ideia. Ou seja, estas medidas são excelentes para manter os mais velhos no desemprego e desincentivar o empregador a ter trabalhadores por longos períodos, visto que se por alguma razão os quiser despedir vai ter mais encargos do que com um trabalhador novo e sem emprego estável.

- A proposta de quebra do sigilo bancário até me agrada (é um das minhas principais causas) mas, claro, se aprofundarmos um bocadinho percebemos que é fogo de vista, estes preconizam este mecanismo num sistema em que quem investiga é o principal suspeito, além disso já oiço isto há muito tempo e já sei que nunca vai chegar aos off-shores ou até que vá chegar a lado algum.

O compromisso Portugal é assim um compromisso da treta de uns desiludidos com o 25 de Abril e que não podem nem sequer com as poucas responsabilidades que têm para com a sociedade, esperam tudo da sociedade civil e não querem retribuir com nada. São miúdos mimados que nunca cresceram, só que agora querem brincar com os direitos e liberdades das pessoas...

sábado, setembro 23, 2006

Thank you very nice!

O João já assinalou a efeméride mas apeteceu-me postar as estatísticas que fizeram com que atingíssemos as 10.000 visitas em 7 meses e meio.
Quero apenas deixar uma palavra de agradecimento a quem por aqui passou, comentou e se deu ao trabalho de nos aturar! Já agora, agradeço também aos ex-postadores Joana e Pedro que durante alguns meses nos acompanharam! Finalmente, agradeço ao João e a mim próprio pelas horas que aqui passámos a postar, a comentar e a discutir com os que o quiseram fazer!
Venham mais 10.000!

10000

Este blogue congratula-se pelo facto de ter recebido 10000 visitas e congratula-se a si mesmo e a mais ninguém. As visitas deste blogue são na esmagadora maioria dos seus autores, por isso, obrigado Rui e obrigado a mim.

Pop it

POP IT

sábado, setembro 16, 2006

Nova fórmula ecuménica "Ratzinguiana"



Basicamente os novos postulados do ecumenismo aconselham de forma veemente a menosprezar o Deus de outra religião, isto tem um efeito de extrema importância e que basicamente resume-se na reunião dos entusiastas desse mesmo Deus à volta de uma fogueirinha. Enfim, o convívio...à volta da fogueira, tipo escuteiros.
Já agora, tenho uma proposta ecuménica a fazer, basicamente consiste em reunir os líderes de todas religiões e cada líder religioso opinaria sobre todas as religiões menos a sua, aliás posso fazer aqui uma antevisão da argumentação sólida e troca de pontos de vista salutar:


- O seu Deus é mau
- Não, o seu é que é
- Olha-me este, concepção imaculada, só se usaram guardanapos
- É imaculada quando comparada com o sangue que jorra dos vossos suicidas
- Epá e tu que não dizes nada, o teu Deus é um badocha e vê lá se começas andar à porrada que essa treta pacifista não engana ninguém vocês fumam daquelas coisas que nós fazemos no Afeganistão
- OMMMMMM
- Epá vocês estejam calados que vocês não estiveram nas camaras de gás, nós é que somos os escolhidos
- Pois, por isso é que foram escolhidos para as câmaras de gás...Eheheh
- Eheheh
- OMMMMMM
- Vocês e o vosso tretagrama...

Legenda:
Budismo
Cristianismo
Judaísmo
Islamismo

quinta-feira, setembro 14, 2006

Você compraria...????









O pacto dos justiceiros



Este pacto da justiça entre PS e PSD mais parece uma jantarada de mafiosos à porta fechada.
Aliás tenho relatos de fonte segura....cof cof

Vito: "Hey Tony did you hear something about corrutpion?"

Tony:
"Corruption? I never heard nothing about corruption, I don't even know what corrution is Vito."

Vito: "You know something, we gotta "clean" Cravinho, is making to many questions. The bastard come here with some weird propositions about fighting corruption, I'm telling you we gotta give this guy some "rest"."

Ou seja aonde é que eu quero chegar, pois claro é que o Vito e Tony nunca se iriam reunir para discutir como combater o crime e corrupção, logo o PS e PSD também não. A corrupção é como a tradição de Barrancos, deplorável em todos os aspectos éticos e no entanto está enraizado no "ser português", e não se pode perder tal hábito, era uma tristeza perder as tradições desta terra.
A corrupção é um mal visceral das terras lusas ao ponto de termos legislação complacente com tal acto, basta dizer que levantar o sigilo bancário é mais difícil que levantar o menir de Obélix, relembre-se como o governo de Durão Barroso "limpou" a equipa que lançou o caso apito dourado e atente-se no teor das escutas do mesmo caso e como estas foram consideradas insuficientes. A corrupção é o modo de vida de quem não quer prestar um serviço condigno à sociedade, de quem descobriu a complacência do Estado perante esta forma de acumulação de capital. As autarquias são veículos para quem sonha através de um orgão público relançar o seu negócio.
Agora perante tudo isto encaixe-se o discurso da meritocracia, de tanto agrado na direita, e veja-se que na realidade é precisamente a negação da meritocracia que está em causa. De referir que a conjuntura de desemprego é bastante propícia à corrupção, basta pensar que é arma para uns e desespero para outros...

terça-feira, setembro 12, 2006

O verdadeiro 11 de Setembro

Apenas consigo assinalar um 11 de Setembro e esse é o do golpe de Estado no Chile, o outro ainda é nebulosa em que houve vítimas inocentes e ao que parece o 11 de Setembro ainda há-de ser prova de que a administração Bush até gosta de terroristas.
Loose Change não é um documentário surpreendente é apenas uma estalada no entorpecimento mundial, o acordar para a mais dura das realidades, e a realidade além de outras que podem vir a emergir é que os atentados ao WTC são uma espécie de arrastão mundial, os culpados já estavam traçados...
Aquilo que o documentário parece ter como prova inequívoca é que não há dados suficientes para se dizer que estão apurados os culpados, isto porque a investigação pode estar simplesmente estar a ser levada a cabo pelos culpados. Nada na investigação bate certo, tudo que vem a seguir ao 11 de Setembro assombra ainda mais a possibilidade de o próprio governo ser agente agressor. Aquilo que posso hoje assinalar é aquilo que parece ser verdade e isso cinge-se às vítimas di 11 de Setembro e ao golpe de Estado no Chile (patrocinado pelos E.U.A.)

sábado, setembro 09, 2006

Subscrevo inteiramente!

Visto que a preguiça continua a proliferar nas cabeças dos membros deste blog (ou pelo menos na minha) achei por bem dar um pontapé no marasmo! Tudo isto faria muito sentido se eu publicasse um texto meu MAS, em vez disso, (que já está muito visto) resolvi "plagiar" um dos textos da edição online do DN!
Boa leitura e aproveitem o resto do fim-de-semana!

São as notícias, estúpido!
João Miguel Tavares

A melhor forma que o Expresso arranjou, no último sábado, para mostrar pela primeira vez a sua nova cara foi pespegar com uma foto gigantesca de Francisco Pinto Balsemão na primeira página a ler a versão reformulada do semanário. A intenção deve ter sido óptima, e a hermenêutica profunda - ali, espalmada, a ligação entre o velho e o novo, o passado e o presente, com Balsemão a avalizar a transição com um sorriso de sete dentes brancos. Infelizmente, um patrão é um patrão, e só em Portugal é que existe esta mania de os enfiar nas primeiras páginas. Se não se acarinhasse mais a vaidade do que o dinheiro, perceber-se-ia que tais veniazinhas provincianas prejudicam o negócio: os jornais só sobrevivem com uma imagem de independência dos poderes, incluindo o do principal accionista. Pode não ser assim na realidade, mas, como se costuma aprender nas boas famílias, convém manter as aparências. Ora, para quem se queria mostrar rejuvenescido e imaginativo, aquela foto é um tiro no pé. Vem assinada por Ana Baião, mas o fotógrafo poderia ter sido José António Saraiva.

A chegada do Sol, o fim de O Independente e a revolução do Expresso representam o maior abanão na imprensa portuguesa dos últimos 15 anos, mas temo bem que o rumo continue por traçar. O Expresso e a sua reformulação gráfica são um bom exemplo de como se valoriza o acessório para não ter de encarar o essencial. O líder do mercado garante que esta é a maior mudança da sua história, mas o que promete ele? "Letra maior", "mais espaço entre linhas", "focos de informação directa e clara", "maiores fotografias", tudo isto em prol de um jornal "mais cómodo", "útil" e "alegre", três adjectivos que têm feito mais mal à imprensa do que a kriptonite ao Super-Homem. As reformulações gráficas transformaram-se na grande panaceia do jornalismo português. Mas, de um modo geral, elas só mascaram a falta de ideias editoriais. De nada servem cabeçalhos novos com velhos hábitos. O que faz falta em Portugal não são jornais mais bonitos. O que faz falta - muita falta - são jornais melhores.

terça-feira, agosto 29, 2006

Cada vez gosto menos de "socialistas"

Isto porque quando pela primeira vez haverá espectáculo no estádio municipal de Aveiro e o PS de Aveiro, pela voz de Raul Martins, decidiu considerar tal espectáculo uma vergonha. Ora de certeza que a menina não terá assim tanta vergonha, logo por que raio vai o rapaz (o Raulzito) considerar uma vergonha, salvo a excepção de a stripper ser a Manuela Ferreira Leite...não vejo razões para grandes alaridos.
Isto é ainda pior porque a manifestação deste "socialista" de bolso é feita pela vertente do conservadorismo, repare-se que ele está preocupado com a imagem dos aveirenses:

«A EMA, que até é presidida por um democrata-cristão [vereador Jorge Greno], está a conseguir pôr os aveirenses no ridículo»

Ou seja não o preocupa uma putativa subalternização da imagem feminina, por reduzir a mulher ao seu corpo, apenas o preocupa a imagem dos aveirenses...
Aquilo que de facto é lamentável é que um belo espectáculo como o "strip tease" esteja englobado num espectáculo deprimente e degradante como é o "tunning", isso sim devia ser motivo de preocupação. Além disso degradante é algumas vezes ver o Beira-Mar a jogar, isso sim, claramente este espectáculo vinha valorizar e dignificar o estádio.
Raul Martins estranha também que um democrata cristão deixe isto acontecer, não percebo a estranheza, toda a gente sabe as boas relações entre o "strip tease" e a igreja, aliás veja-se no exemplo abaixo:



P.S. Não considero a apreciação do corpo feminino uma forma de subalternização da mulher, apenas considero que a exclusiva preocupação com esse, e somente esse, aspecto é redutor e degradante no sentido em que visa a mulher como objecto. O espectáculo de "strip tease" é um evento em que não existe a restrição da liberdade de nenhuma das partes, se falarmos disso no contexto da imigração e prostituição, aí a estória é outra...

segunda-feira, agosto 28, 2006

Depois da tempestade...

...vem a bonança! E depois do desaire da selecção francesa no último Mundial, eis que Jamel Debbouze se propõe a treinar os bleus.
Gostei dos critérios de escolha!!! Talvez um dia o vejamos a substituir o Scolari!

segunda-feira, agosto 21, 2006

domingo, agosto 20, 2006

Hmm! Já cheira!

Fui ontem ao cinema e vim de lá todo contentito! Não que o filme tenha sido bom (Separados de Fresco) mas porque fiquei a saber que o livro da imagem vai ter um filme!
Para quem (como eu) ainda não sabia disto, deixo-vos com o TEASER:



com o TRAILER completo (em alemão):



com o site oficial do filme

com o link do IMDB

E AINDA com o poster do filme!


(mal posso esperar até ao Natal!)

quinta-feira, agosto 17, 2006

Vive la Resistance!

Pois é, estamos de volta...
As férias acabaram, a equipa desmembrou-se (mas continua unida) e o país e o mundo continuam (quase) na mesma! Por isso, resolvi postar aqui a letra da música que podeis descarregar AQUI.
A banda já não existe (separaram-se em Fevereiro deste ano) e o site oficial foi desactivado. Digo-vos apenas que são uns funkáticos sevilhanos!!!

Vivimos tiempos perros(x2)

...en un mundo desquiciado...muchos pasan hambre
algunos se j´inchan a videojuegos...y mientras corre la sangre
en un mundo dividido..por la religión...entre ricos y pobres
¿existe una solución?

Vivimos tiempos perros(x2)

...sed de venganza...orgullo herido
ojo por ojo-diente por diente...el odio acabará con la gente
tragedia humana es tragedia hermana
y no más muertes...cueste lo que cueste

Vivimos tiempos perros(x4)

Cuando crece el odio pierdes la razón
vives el agobio sed de destrucción

...caer en la propaganda sin pensar por uno mismo
es dejarse llevar por cualquier fanatismo
te hacen creer en un falso destino
sigue tu propia ilusión...tu propio camino

Vivimos tiempos perros (x4)

Cuando crece el odio pierdes la razón
vives el agobio sed de destrucción

Vivimos tiempos perros-tiempos muertos
un mundo loco y sigue siendo nuestro
tiempos perros-tiempos muertos
un mundo loco y sigue siendo vuestro
tiempos perros-tiempos muertos
un mundo desquiciao´.....

Cuando crece el odio pierdes la razón
vives el agobio sed de destrucción

Vivimos tiempos perros
Vivimos tiempos perros(x2)

Regresso

A equipa do Coexistência ficou desfalcada, o Pedro e a Joana desistiram...sim eu sei eles são uns fracos, mas na natureza é mesmo assim os fracos ficam para trás...eheheh
De resto verifico que a minha presença em terras lusas em nada é prejudicial ao destino deste mesmo país, visto que estive ausente e as coisas continuam tão "boas" quanto estavam, ou seja continua o pasquim de sempre.
Sócrates não acha necessário justificar os putativos (putativos mas que toda gente sabe que existem) voos ilegais ao Parlamento Europeu, parece que apenas visa responder à Assembleia da República, agora só falta saber como vai reagir quando questionado na AR. É claro que não deve fazer intenção de clarificar nada, caso contrário Sócrates além de neoliberal seria muito burro (sim, eu sei, são coisas parecidas mas não são iguais), porque se se recusa a clarificar ao PE e o fará na AR está a ser burro porque está a criar anticorpos sendo que depois o PE obviamente saberá essas informações através da AR, portanto este governo não deverá fazer intenção de clarificar nada, nem na AR como aliás já se esquivou anteriormente.

Aconselho dogmáticos mais susceptíveis/sensíveis a não ler esta notícia.

Portugal continua com liberais de "trazer por casa"

Como se vê os empregadores priveligiam a formação académica.

quinta-feira, julho 27, 2006

Vamos a banhos!



Até dia 15 de Agosto, este blog funcionará apenas com a participação de Pedro Corga!
Os restantes membros irão gozar um mui aguardado merecido descanso!!!

terça-feira, julho 25, 2006

Canhotos que jogam à direita

Sobre este post tenho o seguinte a dizer:

Nunca desvalorizem o poder da amizade/partidarite, ela pode eventualmente levar-nos a pôr em risco o nosso património intelectual.


Quatro "verdadinhas" a começar para aquecer a audiência, chegamos ao ponto cinco e começamos a sentir o cheirinho a partidarite. Isto porque PP tem património intelectual de sobra para analisar com muito mais profundidade esta questão, mas não pode, valores mais altos se erguem...
Por exemplo, PP poderia analisar as justificações e admitir que o argumento da diferença entre currículos é perfeitamente bacoco e serve principalmente para demarcar a diferença entre outros exames que se poderiam repetir dentro desta mesma lógica. Repare-se que se não fosse a simultaneidade de currículos estaríamos a falar do mesmo argumento, ou seja PP apenas nos apresentaria o argumento de diferenças entre anos sucessivos, não tendo assim este segundo elemento no qual justifica a excepção dentro da excepção.
A volatilidade deste segundo argumento assenta no facto de situações semelhantes já terem ocorrido, com a excepção de serem separadas por um ano. Ou seja o tempo representa um factor importante e discriminatório, e porquê? Isso nem a própria Ministra sabe, esta apenas sabia que tinha de arranjar um argumento que não fosse aplicável a outros exames.

Chegamos ao ponto seis e temos demagogia em "bold", repare-se que PP, ao utilizar o "bold", parece fazer questão de dizer que está ali um bom/vital argumento para ler, apesar de bem elaborado e ardiloso, não passa disso mesmo, um argumento elaborado e ardiloso que molda a realidade à volta do argumento em si e não o argumento à volta da realidade.
<"E os resultados da primeira fase sugerem que essa vantagem poderá ser decisiva."
Bravo bom argumento, mas essa "sugestão" só poderia ser verídica se comparada com os resultados dos exames da segunda fase deste ano, mas o ME nem sequer precisou fazer esses estudos comparativos, criou a tal excepção mesmo antes de ter essa matéria de estudo. Ou seja elaborou o relatório sobre uma experiência sem mexer num sequer tubo de ensaio, bravo isso é...bruxaria???
Ou seja pelo facto dos resultados da primeira fase serem maus, não podemos inferir que seria a prova modelo o factor decisivo, isto sem previamente termos elementos de comparação, mas como isso agora constitui um bom argumento quem é que se preocupa com gráficos e rigor...isso é coisa de outros tempos.
E assim escamoteamos a responsabilidade do ME que seria antever esta situação. E como evitaria tal situação? Criando, sim isso mesmo criando, uma prova modelo que se justificava como forma de permitir aos alunos do currículo novo que fossem à primeira fase ter um modelo que servisse de auxílio ao estudo.
Ainda mais grave do que a injustiça de apenas aquelas disciplinas serem repetidas, reside no facto de haver alunos de Química e Física que indo à segunda fase podem concorrer à primeira fase de candidatura, enquanto alunos das mesmas disciplinas que apenas tenham ido à segunda fase poderão apenas ir à segunda fase de candidatura. Este dado revela a verdadeira intenção desta medida, porque a ser justo todos alunos que fossem á segunda fase de exames concorreriam à segunda fase de ingresso que no fundo são as vagas que sobram.
(Esta parte a vermelho não corresponde à situação verídica, é um dado errado)

Repare-se também que o sexto argumento esbate no segundo, isto porque:
"Qualquer aluno pode melhorar na segunda fase a nota obtida na primeira, contando essa melhoria para a média da nota de conclusão do secundário."
Ora se qualquer aluno pode ir à segunda fase como é que os da segunda fase têm essa tal vantagem de ter o exame da 1ª fase como modelo. PP ainda tenta atirar areia para os olhos: "os alunos que tivessem optado por ir apenas à segunda fase tinham, em abstracto, uma enorme vantagem: seriam os únicos que conheceriam o equivalente a uma prova-tipo"
Mas é óbvio que isto é falso, podendo os alunos que foram à primeira fase ir à segunda essa vantagem esfuma-se mais depressa que o Durão Barroso para Bruxelas (ok, talvez seja uma hiperbolização, Durão foi deveras mais rápido). PP terá feito uma concepção tão em abstracto que na realidade é falsa, não existe de facto uma verdadeira vantagem dos alunos na segunda fase visto que todos podem ir à segunda fase, este argumento só seria verdadeiro se o segundo ponto fosse falso.

Em relação ao ponto nove parece-me bastante óbvio quais seriam as soluções, temos de ter em conta é qual seria o argumento:
Para o argumento:

- dos diferentes currículos concorrerem em simultâneo exigia-se uma actuação prévia em que no mesmo ano só concorresse um currículo, repare-se que os exame de matemática tem currículos diferentes e não foi repetido por serem semelhantes. Ora se houve a competência para discernir que os programas eram idênticos e tal não constituía nenhuma desvantagem para qualquer dos currículos, também teria de haver necessariamente a competência para discernir que os currículos de química e física eram manifestamente diferentes e, como tal, e independentemente dos resultados, ter previamente feito os ajustes. Esse ajuste era simples, obrigar o aluno do antigo currículo a frequentar as aulas do novo currículo para anular qualquer vantagem competitiva, isto acontece nas universidades, se o aluno se atrasa numa cadeira e essa cadeira é reformulada então o aluno frequenta a cadeira nos novos moldes. Não é que o pessoal do ISCTE não se lembrou dessa…

-da prova modelo bastava formular uma, caso isso fosse um grande abalo para os cofres do estado convém lembrar que não existe desvantagens competitivas desse facto, isto porque a dualidade de currículos seria anulada com a simples medida que referi acima e porque a vantagem dos alunos da segunda fase não existe, visto que todos os alunos podem ir à segunda fase.

-do insucesso relativo aos anos anteriores, isso não é dado novo, portanto é já de si um argumento inválido, além do mais isso não justifica a criação de mecanismos ainda mais injustos. Sendo claro que como solução para estes problemas seria sempre incompatível com a excepcionalidade associada a estas medidas.

O ponto 11 confirma uma certa relação entre o uso do “bold” e a demagogia, sendo que este ponto é bomba demagógica.

sexta-feira, julho 21, 2006

Está mesmo por todo o lado!

Os créditos deste vídeo vão inteiramente para o Bruno Nogueira que o postou no Corpo Dormente.

Ai sim? Em que planeta?

"Iniciativa" é um programa conduzido por Isabel Angelino e coordenado pelo jornalista Amílcar Malhó. Todos os sábados, ao fim da manhã na 2:, este espaço dedica-se à exposição e debate de temas como o Emprego, a Formação e o Desenvolvimento.
Ao longo dos diversos programas são feitas referências a programas que estão directamente relacionados: Vida/Emprego, Acção do INOFOR e Medicina no Trabalho. Uma parceria IEFP/INOFOR.

É esta a informação que se pode ler no site da RTP dedicado ao programa! Mas o mais curioso é que, apesar de os dados virem do IEFP, na última edição deste programa apareceu uma informação extraordinária! Numa caixinha que surgiu no meio de uma peça sobre emprego podia ler-se: "Sabia que, seis meses depois de concluída a licenciatura, a grande maioria dos licenciados já tem um contrato de trabalho sem termo?"
Parafraseando o saudoso Fernando Pessa: "E esta, hein?"

P.S. - se alguém tiver acesso aos estudos que permitiram fazer esta afirmação, façam-mos chegar por favor!

STOP DESTROYING LEBANON

STOP DESTROYING LEBANON

O blogue contém imagens bastante gráficas, mas acima tudo contém imagens verdadeiras de vítimas inocentes.

FROM ISRAEL TO LEBANON

quinta-feira, julho 20, 2006

Patos bravos em Aveiro de boa saúde


Após a eleição para a câmara de Aveiro de Élio Maia receei o pior, o regresso dos patos bravos e os perigos que isso constituía, tendo em conta que estes poderiam ser portadores da gripe da moda: a gripe dos patos bravos.
Mas enganei-me, eles voltaram e mostraram toda a sua pujança, estão da boa saúde e recomendam-se a pategos que pensem que modernidade é ter prédios em tudo que é sítio e que os espaços verdes são coisas rústicas e dispensáveis.
Isto porque a zona mais agradável de Aveiro (na minha opinião) que se situa perto do Centro de Congressos, que possui espaços verdes, campos de futebol, campos de basquete e Internet wireless gratuita vai ser rodeada de prédios que claramente destroem o belo espaço que ali temos.
"Quase todos os edifícios terão seis pisos, com excepção de um, na zona do barreiro (próximo do Centro Cultural e de Congressos) que será uma torre com nove andares."

Quem tentou matar Fidel?

Mobilidade da função pública

quarta-feira, julho 19, 2006

Estou muito mais descansado...

...por saber que dirigentes de Estado como a Inglaterra e E.U.A. discutem política internacional a este nível.



P.S. Obrigado Golfinho, estava difícil de aceder ao blogger, por isso é que demorou a pôr o vídeo.

domingo, julho 16, 2006

Segurança social e lucro - palavras a reter

O Golfinho decidiu "picar-me" porque sabia perfeitamente que eu discordo do sistema misto para segurança social que vai na realidade descapitalizar o sistema público já existente. Imagina, Golfinho, que o próprio neoliberal Sócrates já desmontou essa esparrela. Marques Mendes questionado sobre como se lidaria com a situação do défice da segurança pública que se agravaria com essa situação, terá respondido: vai para dívida pública.
Ninguém acha suspeito que se use um pretexto de rigor orçamental para recorrer a um sistema privado e depois a solução para o défice seja o rigorosíssimo desvio do défice para a dívida pública?
Alguém conhece um sistema privado que queira aderir a um negócio sem ter perspectivas de lucro? Como é que vamos ter mais e melhores reformas num sistema que visa lucrar dessa actividade? Mais, alguém fez uma demonstração cabal de como modelo privado iria garantir melhores reformas? Um redondo não.
A proposta é basicamente a de impelir o trabalhador a ter uma parcela da sua reforma à responsabilidade do Estado e que (literalmente) jogue a outra no privado a ver se sai jackpot. Basicamente este projecto visa dar ao trabalhador o gostinho do que é ter a sua reforma no mercado da especulação, o reformado é agora um jogador, um capitalista que corre os riscos que nenhum capitalista corre..."boa sorte, mas olhe que a casa ganha sempre."

Sinceramente acho incrível como se "bebem" estas propostas, sempre que oiço opiniões no sentido de apoiar este sistema misto, não vejo uma demonstração factual das vantagens, logo não será por acaso que em vez de um argumento venha uma pseudo-argumentação no sentido de que se trata de um arcaísmo ideológico de esquerda querer manter a S.S. pública. Aquele paleio que desvalorizava a ideologia desapareceu agora, para que os ressabiados de direita nem sequer se questionem das verdadeiras vantagens do sistema privado, basta acenar-lhes com uma guerrinha ideológica que eles comem logo. Estas palavras de Marques Mendes materializam o que eu quero dizer:

“manter por teimosia ideológica o actual modelo de segurança social, assente exclusivamente na repartição, conduzirá a prazo à falência desse sistema de protecção social”

Relembro que o homem que fala na "falência desse sistema de protecção social” atira o défice para a dívida pública.
Vamos lá ter uma aulinha de térmica, pensemos nesta questão como um balanço de energia, ora como é que vamos ter um balanço não nulo num serviço como a segurança social onde apenas se retém os descontos? Ou seja como é que o fundo de capitalização na conta individual será transformado de forma a crescer? Então quer dizer que os privados vão entrar com dinheiro, ora isso será provavelmente uma percentagem que receberemos pela retenção temporal do nosso fundo de capitalização, mas se os privados se propõe a pagarem-nos uma taxa durante o período em que iremos ter lá os nossos descontos o que é que eles ganham com isso? Como é que é possível um reformado ganhar em simultâneo com a empresa, a não ser que haja um terceiro agente (vítima) não é de todo possível. Provavelmente pode acontecer algum sistema especulativo, em que uns reformados ganham qualquer coisa em função do que outros perdem, portanto para as diferentes empresas aliciarem o otário a optar por elas provavelmente vai ser assim. Portanto, a cumprir-se esta estupidez, teríamos no futuro anúncios televisivos com homens de meia idade a dizer aos "cotas" que se quer ver as suas contas crescer devia optar por aquela empresa porque tinham o melhor "spread". E perguntará o caro leitor leigo, será o spread a taxa indexada aos juros de habitação (por exemplo), claro que não, será um sistema do tipo "spread your legs wide, because you're about to be...", estão a ver o filme...

Bem mas voltando à tua argumentação, Golfinho...
Também não será por acaso que optaste por falar das maleitas do Estado, talvez porque em concreto não tenhas uma vantagem palpável para apresentar, também não é admirar visto que estas propostas de caca são sempre apresentadas com o rigor habitual. Aliás tu próprio rejeitas a conotação ideológica desta medida, mas deves reparar que o argumento bacoco do shorty é baseado nessa mesma conotação ideológica. Aliás é engraçado como questionas, e bem, o papel do Estado, não deves é confundir a gestão errónea dos sucessivos governos com o papel negativo do Estado. Todos os países têm Estado, mas quem os gere é que os torna mais justos ou menos justos, ao preconizares o privado como solução estás a entregar o ouro ao bandido, visto que os que gerem o Estado estão lá para o minar e estarão no privado para recolher os lucros de ter destruído o Estado.
Tu achas que há Estado há mais, eu acho que há Estado a menos onde é preciso.
Aliás já sabemos como é, se depois os privados derem raia e o pessoal ficar de mãos a abanar quem é que vai ter de garantir as reformas? Pois claro, é o Estado. Repara que o modelo neoliberal não quer a destruição total do Estado, apenas quer um modelo de Estado mínimo em que o lucro vai para os privados e o Estado assume, através dos contribuintes do costume, as despesas.
Bem, por agora fico por aqui...


O Estado e a privatização, em cima vai a deslumbrante e linda privatização, toda a gente a adora, em baixo vai o burro, mal tratado pelos neoliberais e mesmo assim ainda os leva às costas.

quarta-feira, julho 12, 2006

Tá bem tá!

Por aquilo que vi e ouvi ontem nos media, o ministro da economia (Manuel Pinho) deve ser a única criatura à face da Terra que não conhece a GM. Ora, se não conhece, tinha obrigação de já ter nomeado uma qualquer comissão de secretários de estado (o que o vulgo designa por boys) para ficar a conhecê-la pelo menos um bocadinho melhor!
Desenganem-se aqueles que pensam que sou um expert na GM... atrever-me-ia mesmo a dizer que dessa "missa" não conheço nem isto (estou neste momento a juntar o meu polegar e o indicador, o mais próximo que consigo). No entanto, pelos escassos conhecimentos que me chegaram através de documentários da terra do Tio Sam, fiquei a saber que em Flint, no Michigan, no longínquo ano de 1989, a GM foi responsável pelo encerramento da maior e mais lucrativa fábrica a funcionar em solo americano, e pelo consequente despedimento de 30000 trabalhadores. Como não será difícil de adivinhar, (infelizmente, a recente história mundial tem-nos mostrado cada vez mais casos destes) a fábrica mudou-se para um qualquer país em que os trabalhadores não protestam por melhores condições laborais, nem por melhores salários e muito menos pelo número de horas que trabalham.
Para que as minhas fontes não fiquem por identificar, posso dizer que obtive estes dados no documentário Roger & Me, da autoria de Michael Moore. Neste documentário, o realizador tenta, ao longo de três anos, entrevistar o presidente da GM da altura (acerca do encerramento da fábrica), enquanto que em Flint cresce a recessão, o desemprego e o crime. Algumas das cenas mais impressionantes deste documentário mostram Roger Smith (o “presidente” da GM) a citar Charles Dickens acerca do Natal e da bondade humana, enquanto vemos uma família a ser despejada; e também o governo local a investir dinheiro no turismo, trazendo evangelistas para a cidade para encorajarem os desempregados a rezar por trabalho.
À luz da realidade portuguesa, facilmente concluímos que, apesar de ter anunciado que vai processar a GM, o governo não vai conseguir evitar o inevitável! No entanto, quero que fique claro que acho bem que o tenham feito. Só não acho bem que tentem “maquilhar” o procedimento que adoptaram, de modo a fazer crer que poderão ser obtidos alguns benefícios com o encerramento da Opel da Azambuja. A expressão que me ocorre para descrever toda esta situação é “contenção de danos”. Passo a explicar: “já que não conseguimos evitar que a Opel feche, ao menos damos ares de quem está a tentar fazer um grande favor aos 1200 trabalhadores qualificados que vão para o olho da rua”.
Mas, por outro lado, se conseguirem obter as indemnizações que pretendem, tanto melhor. Resta saber como é que as vão aplicar!

terça-feira, julho 11, 2006

Mas a vida é uma caixinha de surpresas

Os grandes não são perfeitos


O facto de termos sido derrotados pela França tornou a expulsão do "vilão" Zidane num balsámo para as nossas mentes vingativas, mas quer vingança quem adoptou a perspectiva belicista veiculada pelos mérdia (autoria do Dito Cujo). O futebol, enquanto espectáculo, ficou pobre não porque a selecção nacional foi eliminada nas meias finais mas porque nenhuma equipa com predisposição ofensiva e triangulações bonitas teve o sucesso de sequer chegar às meias finais.
Zidane terá reagido intempestivamente às provocações de Materazzi, e fez mal, mas que fique bem claro que isso não invalida o facto de este ser um grande jogador de futebol, o melhor do mundial, porque assim como orgulhosamente defendemos Mourinho como o melhor treinador do mundo apesar dos seus defeitos, também deviamos ter o discernimento de pensar que Zidane fez o percurso mais brilhante de todo o mundial apesar de ter acabado numa fulminante marrada no peito de Materazzi.
Fica assim patente mais uma das razões porque o orgulho na pátria se não for racionalizado engloba a estupidificação, porque alteramos os nossos padrões comportamentais e valores e subjugamo-los ao "orgulho em ser português".

A FIFA teria promovido a violência se não tivesse expulso Zidane, a cabeçada de Figo ao jogador da Holanda abalou a nossa opinião a cerca desse grande jogador???

segunda-feira, julho 10, 2006

É o meu herói!

Se eu soubesse escrever com inteligência, irreverência, humor corrosivo e uma pitada de má-língua (mas com bom gosto) fá-lo-ia ASSIM.
Obrigado RAP por um regresso há muito aguardado à blogosfera!
(E obrigado Pedro por teres feito soar as trombetas!!!)

domingo, julho 09, 2006

Italia ti amo!

Grazie mille squadra azzurra per vendicare Portogallo!!!

quarta-feira, julho 05, 2006

Git-R-Done!!!

Ladies and gentlemen I give you: Larry the Cable Guy!

Olé!

Digam lá que esta corrida não tem muito mais piada que a dos toros?
Pelo quinto ano consecutivo, a Peta organiza a "Running of the Nudes" que pretende chamar a atenção para a violência exercida sobre os pobres animais anualmente, em Pamplona.
Confesso que até acho piada a ver umas dúzias de "trolls" a correrem à frente dos chifres dos portentosos bovinos! E é claro que de cada vez que um leva uma valente "marrada" ou é atropelado a diversão aumenta! MAS, prefiro e apoio muito mais esta corrida de humanos e belas humanas. Por isso, faço minhas as razões apresentadas no site oficial destes malucos!


Top 10 Reasons to Join the "Running of the Nudes"

1. It’s about babes – not bulls. Hardly-dressed hotties and nearly-nude dudes – need we say more?

2. Goring is boring! While “Running of the Bulls” revellers are putting themselves at risk of being accidentally gored or trampled by terrified, tormented bulls, we’ll be safely cruising down the cobblestones in our own fun and festive “no-bull” alternative.

3. Ay carumba! A week-long holiday in Spain would be muy bueno! Where else can you enjoy great food and drink, spectacular scenery and amazing sights while participating in an event that reminds tourists and Spaniards that an animal-friendly celebration is a more positive way to take pleasure in the city of Pamplona and in Spanish culture?

4. It’ll be a cheeky thing to do – literally. What better way to protest how bulls get a bum rap than to bare your own bum? Besides, hasn’t it always been your naked ambition to help animals?

5. All the cool kids are doing it. The “Running of the Nudes” attracts hundreds of people from around the world, so it’s the perfect place to make new friends who are just as compassionate and fun-loving as you are.

6. It’s not every day that you get to hit the streets wearing plastic bullhorns and body paint. You know, it really would be a good look for you …

7. You’ll be a tourist attraction! Every year, the Running of the Nudes is performed with such passion and positive energy that it’s a tourist attraction in its own right.

8. You don’t need to worry about which outfit to wear. Just pack your toothbrush and sun block and come as you are. After all, the dress code is very casual! Plus, no tan lines! We can’t think of a better way to have fun in the sun and work on a whole-body tan.

9. The party’s on PETA. At the finish line, we’ll treat you to the best street party in Pamplona – complete with local music, food, drink and entertainment.

10. It’s not cool to be cruel. Spain’s Running of the Bulls is a notoriously cruel spectacle – one in which bulls never stand a chance. During the run, bulls are injured and tormented by throngs of people who yank their tails and jab at them with sharp sticks as the animals scramble through slippery streets. In the arena, bulls are stabbed repeatedly to weaken them through blood loss and are forced to run in circles to make them so dizzy and disoriented that they cannot defend themselves. After prolonged agony, the matador (Spanish for “killer”) kills them by putting a sword through their spine.

Out with the old, in with the nude!!!

domingo, julho 02, 2006

Parkour!

Aqui fica qualquer coisa de fenomenal!
Mais palavras para quê?! É um artista...
... francês!
David Belle

quinta-feira, junho 29, 2006

Skimboard é mem' BOM!

Para quem, como eu, é fanático por este desporto ou para quem simplesmente gosta de ver uns malucos a apanhar ondas, aqui fica a hipótese de ver as performances de "deuses" como Bill Bryan, Paulo Prieto, Miles Grosman e Erik Christensen a mostrarem como se faz!

Grandes verdades

AQUI

terça-feira, junho 27, 2006

A minha boneca é melhor que a tua


Depois do último jogo do mundial assisti a muita gente com bonecada sagrada nas mãos, basicamente toda a gente compra o mesmo modelo: nossa senhora de Fátima. Se bem que o treinador da selecção optou por um modelo bem mais exótico, uma tal de nossa senhora do Caravaggio. De facto esta orgia emocional que se vive no país é na realidade um retorno à infância, boneco nas mãos e emoção à flor da pele...
Mas eu pergunto-me e então ninguém se lembra do nosso senhor?
E depois lembrei-me que ele anda muito ocupado, isto porque como toda a gente sabe este é um inspector do esperma, quem conhece a música dos Monty Phyton sabe disso. Ora se 40 mil prostitutas vão para a Alemanha ele vai andar de "mãos cheias" de trabalho, não vai ter tempo para acudir a selecção brasileira cujos jogadores têm um protocolo em que se suicidam se não bradarem aos céus depois de marcar um golo. Por outro lado também me ocorreu que se calhar a identidade do nosso salvador pode ser descoberta, isto porque claramente ele é um ambientalista da QUECUS, uma associação que assegura que nenhum esperma é desperdiçado em quecas mas sim na concepção de um pequeno ser extremamente chato. De facto o futebol está dominado pelas mulheres, elas vão ver os jogos, 40 mil vão para o mundial da queca e até a bonecada sagrada é exclusivamente feminina. Os homens que se ponham a pau, podem estar a perder território para as mulheres no capitulo da irracionalidade emotiva associada a eventos desportivos...um aviso sério que aqui vos deixo.

segunda-feira, junho 26, 2006

Então mas afinal?


Não eram estes "senhores" que se queixavam de maneira tão comovente que: "Roubar a música é matar a música. Sempre que sacas uma música estás a contribuir para que os nossos concertos acabem"? É que pelos vistos são necessários muitos mais downloads desta merda a que resolveram chamar música para que eles desapareçam definitivamente das tabelas de vendas. Anda tudo à espera de quê?

domingo, junho 25, 2006

"O Figo não é Jesus Cristo!"

Volta Scolari que estás perdoado!
O jogo de hoje foi sofrido e sobretudo déjà vu! Faz-nos lembrar os infortúnios dos portugueses aquando da expedição à Índia narrados n' Os Lusíadas! De facto, sofrer está-nos no sangue! (sobretudo, depois de acabar o mundial quando nos lembrarmos que estamos... em Portugal! O Sócrates é que deve estar feliz... assim ninguém se lembra dele!)
O jogo foi inesperado (pelo menos para mim), pois não pensei que o jogo dos holandeses fosse tão... (uma forma simpática de dizer isto)... nojento!!! Não devolver a bola ao adversário depois de jogo parado?!
Não vamos sequer falar no F.D.P. do árbitro! Cabrão do russo! Mas, pelo menos, estreou-se nas derrotas da Holanda em jogo por ele arbitrado! Será que a primeira vez para ele doeu?
O jogo foi uma porqueira! Mas, note-se, tudo por culpa dos holandeses, que jogaram sem ética nenhuma!
Mas o Scolari está de parabéns não pelo resultado do jogo, mas pela maneira como defendeu o Figo ao responder a uma pergunta maliciosa de um qualquer repórter inglês que perguntava como via o comportamento deste. Scolari disse que Jesus Cristo dava a outra face quando lhe batiam. "O Figo não é Jesus Cristo".

Post Scriptum - O Maniche é bué da fixe! :)

sábado, junho 24, 2006

"Crise política" de timor explicada por imagens




China esse estupefaciente para neoliberais

A propósito do iPod e da sua concepção na China, surgiu um debate interessante, não porque fosse muito bom mas porque nunca imaginei ver neoliberais deliciados com um regime comunista.
Existe um veneno para ratos (Racumin) que os impele de forma incrível, esse veneno exerce uma atracção sexual sobre o desgraçado tão forte que este vai de encontro ao local mesmo na presença de um ser humano. E porque é que eu mencionei isto, porque existem grandes semelhanças entre este caso e do amor neoliberal pela China, com a diferença de que num caso quem se lixa são as ratazanas que são atraídas ao local e no outro quem vai ao local é que lixa as ratazanas que por lá andam.

(ratazana chinesa, desarmada e magra, como se quer)

Será o neoliberal uma ratazana? Não, é apenas um ser humano com sentido de lucro...nada mais.
Reparo também que o neoliberalismo é uma ideologia versátil, isto porque os regimes políticos são todos bons desde que permeáveis à erosão dos direitos individuais em benefício do lucro de uns apaixonados, românticos e fogosos capitalistas, sempre prontos para "fazer amor" (ou foder, como queiram) [com] os trabalhadores.

Tal como nos problemas de Portugal, temos de voltar ao paleolítico para perceber a origem deste retrocesso mental que é defender a decadência do ser humano em prol de uns iluminados. Ora no paleolítico vivia uma espécie evoluida (quando comparada à actual) visto que existia uma verdadeira meritocracia, isto porque aqueles que produziam os artefactos (bens) eram os primeiros beneficiários dos mesmos. Havia uma ligação justa entre produzir e ser beneficiado por essa mesma produção, agora arranjamos um sistema sofisticado de roubo, em que em função de números e especulação sobre os mesmos conseguimos por quem trabalha a viver na miséria e quem coça a micose a gerir os lucros dessa mesma produção. O ser humano da actualidade vive fascinado por quem consegue tal sofisticação e ainda justificar tudo baseado (veja se lá) na meritocracia, vivemos fascinados pela aldrabice e ambicionamos sempre subir os padrões da mesma. O processo inteligente da actualidade não é o conhecimento, a descoberta ou processo de compreensão lógica e associativa da realidade é sim a forma como conseguimos manipularmo-nos mutuamente. Tenho sérias esperanças que o período actual venha a ser denominado pelos historiadores e sociólogos como "recticionismo", marcado pela audácia e astúcia de invadir os rectos uns dos outros sem no entanto deixar que se contraia o matrimónio.

(meritocracia paleolítica)

terça-feira, junho 20, 2006

Este homem está lá!

Onde? - perguntam vocês. Lá! - respondo eu.
(Vou-me deixar de paleio barato e deixo-vos com o video!)

segunda-feira, junho 19, 2006

Anda aí um mamífero escondido...



...de seu nome Golfinho e que merecia uma carga de lenha porque regressa à blogosfera e acha que o acaso deve fazer o resto.
Meu amigo, quando se chega à blogosfera é tocar as trombetas para o pessoal saber que chegaste, porque, ao contrário de ti, não sou bruxo.
Dá vontade de...coiso pá.

O gajo está aqui...



E aqui...