terça-feira, outubro 19, 2010

"Génial!!!"

Das muitas imagens que circulam sobre as manifs em França, esta desconcerta pelo bom humor do portador do cartaz.



A foto foi tirada na Boulevard Voltaire, em Paris, e no cartaz pode ler-se:
"Reforma aos 67? Por que não 69 enquanto se faz amor!!"

quarta-feira, setembro 22, 2010

Constança Cunha e Sá entrevista Francisco Louçã


Quem perdeu na TVI24, pode aproveitar para ver no site da estação.

CLICAR NA IMAGEM PARA ABRIR O VÍDEO

sexta-feira, setembro 03, 2010

Ciganices

A crise económica que o mundo vive é complexa, e não é fácil apontar com exatidão o momento em que terá principiado, mas o governo francês já identificou os seus responsáveis: são os ciganos. A descoberta não terá apanhado ninguém de surpresa. A bem dizer, todos sabíamos do papel que os ciganos desempenharam no descalabro financeiro norte-americano e, subsequentemente, mundial. O conselho de administração do banco de investimento Lehman Brothers era integralmente constituído por ciganos. Uma das razões da falência do banco foi, aliás, o facto de os seus administradores só pegarem ao serviço à tarde. De manhã estavam na feira, a vender T-shirts de contrafação. Bernard Madoff, cuja tez morena é bem reveladora de ascendência cigana, confessou ter planeado o seu esquema fraudulento ao som dos Gipsy Kings. E subprime é um termo do dialeto cigano que significa "ai, Lelo, vamos conceder empréstimos imobiliários de alto risco até provocar a insolvência de três ou quatro grandes instituições financeiras".

Ninguém sabe bem a razão pela qual os gregos elegeram um governo de ciganos, mas o facto é que eles estão lá, a fazer crescer a dívida externa e a arrastar a Europa para a falência. E Sócrates, não sendo cigano, é, no entender de muitos, um ciganão. Creio que é óbvio para toda a gente que a crise económica é mundial precisamente porque os ciganos, sendo nómadas, conseguiram levá-la a todo o lado.

É mais do que natural e justo que o governo francês tenha perdido a paciência com os prejuízos que esta etnia tradicionalmente ligada à alta finança tem provocado e, por isso, como costuma suceder em França com os estrangeiros que não têm categoria suficiente para representar a seleção francesa de futebol, os ciganos foram recambiados para o seu país de origem. País esse que, neste caso, é a Roménia - que faz parte da União Europeia. É azar: os ciganos, que são um povo sem fronteiras, têm algumas dificuldades para circular na Europa sem fronteiras. Ainda assim, um povo tão habituado a ler a sina deveria ter adivinhado que isto da livre circulação de pessoas iria ser prejudicial para quem é nómada. Era mais que óbvio.

Não ignoro que a medida de Sarkozy tem sido criticada, mas apenas pelos radicais de esquerda do costume. Como o Papa. A verdade é que os ciganos só trazem problemas. Recordo que o cigano mais famoso de sempre era estrela de cinema. Chamava-se Charlie Chaplin. Se bem me lembro, era raro o filme em que ele não arranjava problemas com a polícia. Aquilo está-lhes no sangue.

sábado, junho 26, 2010

I'd rather be skimming

Abrir o vídeo com 2 cliques para ver imagem completa

sexta-feira, maio 21, 2010

Introdução ao Estudo (sério) do R.S.I.

Pondo de lado todos os pré-conceitos que possam existir acerca dos beneficiários do Rendimento Social de Inserção (incluindo os que se concebem a partir da observação da realidade - toda a gente diz que conhece fulano e sicrano que abusam das prestações sociais), o que resta é isto: a clareza e frieza dos números e dos factos.
E quando estes números e factos são apresentados "sem espinhas", só com o filet mignon, isso leva-nos a recolocar a discussão num patamar que quase nunca é atingido.
"Let's look at the trailer"





Ora vamos aos números e factos sobre os beneficiários do RSI:
- TODOS têm o sigilo bancário levantado;
- a maioria são crianças, idosos e mulheres que trabalham e ainda assim vivem abaixo do limiar da pobreza;
- 30% tem rendimentos para além do R.S.I. (provenientes de pensões e de trabalho assalariado);
- são acompanhados por técnicos dentro da sua própria casa;
- se não cumprirem o plano de reinserção estabelecido pelos técnicos, arriscam-se a perder as prestações;
- apenas 3% tiveram cessação das prestações por falsas declarações;
- em 57% dos casos de cessação da prestação, o motivo é a alteração de rendimentos;
- em apenas um semestre 70 mil perderam direito à prestação por alteração de rendimentos;
- a prestação média por pessoa é de 89€ (uma fortuna quase tão grande como a do Mexia);
- a prestação média por agregado familiar é de 242€ (outra fortuna comparável à do Américo Amorim);
- o máximo pago por pessoa é de 180€ (mais uma fortuna tão grande como a do Belmiro).

Chegam estes?

quinta-feira, maio 20, 2010

quarta-feira, maio 05, 2010

Ricardo Rodrigues, o "Mãos Leves"



A fazer fé nas palavras do próprio, este deve ter sido mais um dos "sês azares"!
Alguém devia fazer um "career orientation test" ao homem.
Está na hora de mudar de ramo!

segunda-feira, abril 19, 2010

A fé move redes?

A crónica de Rui Zink, publicada hoje no Metro.
(clicar na imagem para aumentar)

sexta-feira, abril 16, 2010

Quanto vale o seu fígado?

A propósito do novo filme de Jude Law - Repo Men - resolvi postar um dos vídeos da promoção que o próprio actor fez no Daily Show de Jon Stewart.
E para além de promover o filme, ainda conseguiu ter uma discussão política com Stewart.
Já agora, o filme parece ter um argumento genial: o cúmulo do sistema de crédito!
Aqui fica um resumo do IMDB: "Set in the near future when artificial organs can be bought on credit, it revolves around a man who struggles to make the payments on a heart he has purchased. He must therefore go on the run before said ticker is repossessed."

The Daily Show With Jon StewartMon - Thurs 11p / 10c
Jude Law
www.thedailyshow.com
Daily Show Full EpisodesPolitical HumorTea Party

quarta-feira, abril 14, 2010

Five to one?

A propósito do rácio defendido por Pedro Passos Coelho para os funcionários públicos a ir para a reforma por cada novo contratado (5 para a reforma e 1 a ser contratado), lembrei-me dos primeiros versos da música "Five To One" da autoria de The Doors.

"Five to one, baby
One in five
No one here gets out alive..."



Será que Passos Coelho quer perpetuar a senda do "Vamos todos morrer"?

quinta-feira, abril 01, 2010

Feijó "ataca" outra vez!

Depois de, em Outubro do ano passado, ter feito um discurso brilhantemente demolidor na cerimónia de comemoração do centenário do Lyceu Camões, com Maria Lurdes Rodrigues e Cavaco Silva sentados na mesa ao lado, Pedro Feijó, aluno dessa mesma escola, volta a fazer das suas, desta vez na edição desta semana do Prós & Contras.

Quem perdeu pode sempre ver aqui a intervenção no centenário do Camões



e aqui a intervenção no Prós & Contras (a intervenção do Pedro começa a partir dos 14 min. e vai continuando até aos 30). Depois disso segue-se a intervenção do Paulo Portas com o discurso do mérito. Não há pachorra!

http://ww1.rtp.pt/multimedia/index.php?tvprog=26006&idpod=37516&formato=wmv&pag=recentes&escolha=

Já diziam os Da Weasel em 1995: "Educação é liberdade"!

quarta-feira, março 24, 2010

Esta música ficou-me no ouvido!



Antes do vídeo há alguns segundos de publicidade!

segunda-feira, março 15, 2010

A propósito do novo cartaz

Aproveito para relembrar Gabriel, o Pensador - um dos meus músicos de eleição!
Enjoy (ou então não)!

quarta-feira, março 03, 2010

Foi assim!



Para resumos dos vários painéis clicar AQUI
Para ver a fotogaleria clicar AQUI

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Esta música andava a pedir para ser gozada há tanto tempinho!

E como os Gato Fedorento estão de férias, o Sem-Pescoço (Marco Horácio) e o Cebola Mol (Eduardo Madeira) encarregaram-se disso. E fizeram eles muito bem! :D

sábado, fevereiro 20, 2010

"Vamos todos morrer!"

A frase que dá título a este "post" é da autoria do João. No entanto, neste caso ela é usada para, quiçá, dar voz ao pensamento de Manuela Ferreira Leite.
Passo a explicar. Na Grande Entrevista da passada quinta-feira, a líder do PSD afirmou o que a seguir se transcreve:

"Neste momento, a última coisa de que a nossa economia precisava era de que se aumentassem os impostos. E, no entanto, a situação é tal que provavelmente têm de se aumentar os impostos. Ou seja, ou morre-se da doença ou morre-se da cura."


Ou seja, de acordo com estas palavras, ou morremos porque não subimos impostos, ou morremos porque subimos os impostos, mas lá morrer, morremos de certeza! Para MFL, isso parece ser uma certeza matemática!
Antes de embarcar em tendências suicidas, talvez fosse bom analisarmos a questão de várias perspectivas. E não é preciso reflectir muito para perceber que aumentar os impostos não é solução! Existem outras (taxação dos lucros na Bolsa, combate sério à fraude, à evasão fiscal e aos paraísos fiscais, criação de novos empregos com a ajuda de investimento público, protecção alargada aos desempregados, etc.) que podem dar uma ajuda bastante significativa na reanimação da economia.
Talvez este desabafo de MFL seja a "crónica de uma morte anunciada", mas quando muito, da sua "morte" política! Felizmente para todos nós, existe vida para além disso!

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

A crise artificial e a real

Desconfio que esta crise artificial a propósito da lei das finanças regional na realidade seja uma crise criada porque o "Risco da dívida portuguesa bate recorde".
Aplicada a receita à Grécia as atenções parecem-se virar para Portugal, os mercados financeiros pressionam os Estados Nação, aproveitando a sua fragilidade para um bom negócio. De salientar que para um governo que se apresentava com o dogma do rigor orçamental (quando na realidade aplicava a contenção assimétrica juntamente com o regabofe para os mercados financeiros) este é um duro golpe com graves consequências para o país. Não querendo ser alarmista, a continuar esta política das agências de rating ao serviço dos seus clientes, os Estado Nação podem estar a hipotecar o seu futuro a especuladores. O capitalismo português expôs-nos ao capitalismo global onde não há amigos, os especuladores que querem fazer um bom negócio com a compra de títulos de tesouro do Estado Português querem lá saber do bom discipulo Sócrates, querem mesmo é agarrar esta oportunidade.

Ana Sá Lopes em comentário na televisão, sugeriu por diversas vezes que Sócrates estaria mesmo com vontade de abandonar a governação. Por um lado pode ser o expoente máximo do clima de chantagem, por outro, tendo em conta o clima social e este novo dado começo a achar que a hipótese, sendo especulativa, já foi mais irrealista.

terça-feira, fevereiro 02, 2010

Parabéns à burguesia burlada...

...pela classe.
...por terem passado pela polícia de choque.
...por terem consciência de classe.
...por serem defensores do sector público (Estado).

É por estas e por outras que a burguesia merece respeito, queria ver os funcionários públicos, mais recentemente os enfermeiros, a conseguirem entregar em mão ao Ministro das Finanças uma folha A4, sem dentes partidos, sem violência e com a classe e distinção destes senhores.


sexta-feira, janeiro 15, 2010

Ouvir o tuga dizer que "não há dinheiro" em Portugal e depois analisar a realidade é um exercício deprimente

Os investidores da Bolsa de Lisboa tiveram os seus activos valorizados em 33,5% em 2009, a segunda maior subida da Europa, depois da Bolsa de Amesterdão (36,34%).

A empresa que mais se valorizou foi a Sonae (99,08%), seguida por Sonaecom (92,24%), Altri - produtora de pasta de papel (90,69%), Cimpor (84,74%), Jerónimo Martins (75,94%) e Teixeira Duarte (74,92%). As maiores empresas industriais, de comércio e serviços valorizaram-se mais do que a banca.

Segundo o jornal I de 26 de Dezembro de 2009, os 16 principais accionistas portugueses terão tido ganhos superiores a 5.300 milhões de euros e os 10 maiores 5 mil milhões.

Américo Amorim foi o que mais ganhou - 1.175 milhões de euros, continuando a ser o mais rico da bolsa portuguesa.

Soares dos Santos, o senhor da Jerónimo Martins - empresa detentora de uma grande cadeia de distribuição, foi o segundo maior ganhador com 1.075 milhões de euros.

O terceiro maior ganhador da bolsa portuguesa foi Belmiro de Azevedo, o patrão da Sonae, com 811 milhões de euros.

Nos dez que mais ganharam em 2009 incluem-se ainda: Vasco de Mello - presidente do grupo José de Mello - com 383 milhões de euros; Ricardo Salgado - líder do grupo Espírito Santo - 371 milhões, Horácio Roque (Banif) 67 milhões, Joaquim Oliveira (Controlinveste e Sport TV) 63 milhões, Luís Silva (Cinveste e ex-patrão da Lusomundo) 47 milhões, Pinto Balsemão (Impresa) 41 milhões e Joe Berardo 33 milhões de euros.

sexta-feira, janeiro 08, 2010

Um bocadinho mais democrático

Portugal caminha no sentido de se tornar um país um pouco mais democrático, isto porque finalmente o PS decidiu dar uma de esquerda (pena que somente nesta matéria). À esquerda "sempre" existiu vontade (BE), disponibilidade (Verdes) e aceitação (PCP) para acabar com a discriminação que impedia casais homossexuais de aceder ao casamento civil que, simultaneamente, acarrateria uma série de ganhos em matéria de direitos (acompanhar doença do parceiro, heranças...).


Apesar de tudo, a questão da adopção promete prolongar este combate durante mais algum tempo, porque o que o PS fez foi introduzir, imagine-se, uma discriminação que não existia. Ou seja, por estranho que possa parecer, um casal homossexual não podia adoptar até aos dias de hoje, não por negação expressa, mas porque não podia ser um casal formalmente reconhecido pelo Estado como casado. Aliás, esta proibição encerra até uma discriminação entre homossexuais casados e não casados, porque um elemento homossexual com uma relação não assumida/contractualizada pode adoptar, ao passo que um casal homossexual casado não pode. Esta proibição do regime de adopção é inconstitucional e viola o artigo 13º, o qual eu transcrevo de seguida:






Mais uma vez, parece que o oportunismo político de Sócrates não se esgota, instrumentalizando direitos civis para prolongar, através de um imbróglio jurídico, um circo mediático que o afaste da análise crítica. É óbvio que Sócrates e "sus muchachos" sabem da inscontitucionalidade da medida, logo querem prolongar esta querela mediática com dois objectivos: evitar discutir outros problemas onde o exercício da governação é calamitoso e desresponsabilizar-se da decisão que obrigatoriamente teriam de tomar, que era não inibir a adopção a casais homossexuais. Repare-se que se o PS somente legislasse no sentido de permitir o casamento, a adopção era automaticamente possível porque nada previa, até então, o contrário.


P.S. Não foi o "casamento gay" que foi legalizado, foi o casamento homossexual (gays e lésbicas)

Don't try so hard, go out and play

quarta-feira, janeiro 06, 2010

Mercados municipais - perigo iminente



O vereador com o pelouro dos Mercados e Feiras do CDS-PP Miguel Fernandes considera pertinente instalar câmaras de vigilância nos mercados municipais. A questão que se põe é, logicamente, porquê nos mercados municipais? Será que existe alguma condição especial que justifique esta medida, será que existe perigo iminente nos mercados municipais que o comum cidadão desconheça?

A justificação do vereador diz tudo, não dizendo nada: "Se pensarmos em termos de segurança dos comerciantes, dos seus bem e do público em geral este sistema poderá dissuadir actos de vandalismo e contribuir para melhorar a qualidade de vida dos munícipes e comerciantes".

Um justificação tão generalista, leva a que a medida seja "razoável" e aplicável em todo o espaço público. Pode-se concluir que os mercados municipais terão video-vigilância não porque precisem, mas sim porque o vereador é do CDS-PP e como tal tem hipersensibilidade para questões securitárias. Por outras palavras, se o vereador tivesse o pelouro da cultura os teatros também teriam video-vigilância.

É bom salientar que, por exemplo, a Assembleia Municipal de Aveiro (Capitania de Aveiro) não tem video-vigilância, pelo menos que eu tenha reparado. O que é salutar, mas fazendo jus à desconfiança popular sobre os políticos...até se justificaria (ironia). Certamente que estes sistemas não resolvem nada, precisamente porque incidem sobre a pequena criminalidade e actuam indiferenciadamente, expondo lícitos e ilícitos. Não quer isto dizer que a video-vigilância é toda ela inócua e desnecessária, o que sucede é que ela não deve estar à mercê de derivas securitárias sem critério. Nesta matéria, é também necessário acautelar mecanismos de protecção e sigilo dos cidadãos, nesse sentido, não deixa de causar estranheza que partidos à direita tenham considerado uma violação da "intimidade" a quebra do sigilo bancário (parece que o PSD já mudou um pouco a sua posição), mas considerem a video-vigilância algo positivo e inerte em matéria de privacidade.

Mas fica aqui a sugestão de um "upgrade" em matéria de segurança para o vereador Miguel Fernandes: um "striptease surveilance". Um sistema desenvolvido para aeroportos que expõe o passageiro até à sua roupagem natural. Seria curioso imaginar como o CDS-PP conjugaria o seu ávido desejo securitário com a sua vertente mais conservadora "democrata cristã" (tem mesmo de estar entre parentesis, um partido que se diz cristão não pode ser democrata, precisamente porque não percebeu que a laicidade é condição de democracia).