sexta-feira, dezembro 21, 2007

Sexo para todos

Estar de férias tem destas coisas! "Perco-me" a ver filmes no youtube e acabo por ir procurar aqueles que já não via há quase uma década! Ao ver alguns vídeos da Herman Enciclopédia no youtube veio-me à memória um dos poemas da Dra. Rute Remédios. Os poemas faziam sempre parte do sketch da mãe do Diácono Remédios e o meu preferido era este (que não aparece no youtube):

Correu montanha acima, afogueado;
Atrás do tresmalhado cordeirinho...
Na ânsia não de o ver no ensopado,
Mas de o sacrificar com carinho!

Assim que o agarrou pelo rabinho,
Deu-lhe tratamento propício!
E a bicha arreganhou o focinho e disse:
Oh filho, por que é que chamam a isto um sacrifício?

quinta-feira, dezembro 20, 2007

RAP esgota auditório da Reitoria da UA (II)

Mais fotos e vídeos! A qualidade não é grande coisa mas foi o que se conseguiu arranjar com os telemóveis! (Esquecemo-nos da máquina :P)










RAP esgota auditório da Reitoria da UA

Tal como tinha sido prometido, a equipa do Coexistência foi ver RAP. A crónica não é minha mas descreve com bastante fidelidade o que aconteceu esta tarde. No entanto, fui acrescentando uns apartes pelo meio. Assim, o texto a verde é da jornalista e o texto a branco é meu.

O auditório d'"A biblioteca (mentira que era o da livraria) dos Serviços de Acção Social da Universidade de Aveiro estava ao rubro. Centenas de estudantes já tinham o lugar marcado há algum tempo para garantir que veriam de perto, e com toda a clareza, Ricardo Araújo Pereira, o «gato» mais aguardado.
O público não parava de chegar (nós fomos dos últimos) e a direcção dos Serviços Académicos, surpreendida com tamanha adesão, foi obrigada a transferir o evento para o grande auditório da Reitoria que, ainda assim, se revelou exíguo. A corrida aos lugares da frente não se fez esperar (como fomos dos últimos a chegar ao auditório da livraria, fomos dos primeiros a chegar ao auditório da Reitoria :D) e, em menos de 10 minutos, a sala encontrava-se totalmente repleta, com pessoas sentadas no chão e encostadas à parede.
A entrada de Ricardo Araújo Pereira na sala esteve perto de ser apoteótica (apesar de ter chegado com 40 minutos de atraso). Aguardado por mais de mil pessoas, foi também brindado (brindado diz ela! o desgraçado teve que os ouvir a cantar uma serenata!) com uma actuação da Magna Tuna Cartola, que o homenageado agradeceu, batendo palmas «a esta comitiva de “batmans”».
O mote da vinda de Ricardo Araújo Pereira a Aveiro consistiu na apresentação do recém-editado livro «Boca do Inferno», que resulta da compilação das suas melhores crónicas, publicadas nos últimos anos na revista Visão. Em tom irónico, o autor explicou que a selecção das melhores «inicialmente, resultou em uma página e meia».
Seguiu-se a chamada de atenção para algumas das ilustrações, ressalvando, contudo, «não passarem de bonecada». Sobre algumas páginas coloridas que integram o volume, justifica, dizendo que «fica muito lindo». Termina a exposição, com a projecção da fotografia da contracapa (a mesma que está uns posts abaixo), que completa com «Camisola: 19.90 euros. Calças: 24.50 euros».
A plateia rendia-se a cada piada. Ouvia-se «o que tu queres sei eu!» e «conta ‘a minha vida dava um filme indiano’». Mais a sério, uma espectadora, tomando da palavra, inquiriu o humorista sobre a classificação do Benfica no Campeonato e a diferença de dez pontos que o separa do F.C. Porto. O «Gato Fedorento» desvalorizou a provocação: «10 pontos não é nada, é para maricas», e afirmou, peremptório: «Eu acredito sempre na vitória no Benfica, mesmo que esta seja matematicamente impossível. Não admito que a Matemática decida!».

Cláudia Carneiro do Diário de Aveiro
"

E foi mais ou menos assim que RAP passou por Aveiro deixando um "gostinho de quero mais"!

P.S. - Deixo por enquanto apenas as fotografias que tirámos. Os vídeos que fiz acrescento-os amanhã!

terça-feira, dezembro 18, 2007

Quem melhor para definir Sócrates do que...

...o próprio.


"É verdade, sou um provinciano, fiz-me sem pedir nada a ninguém. Não tenho aliados entre os grandes pensadores portugueses e a aristocracia de esquerda"

José Sócrates, "Libération", 17-12-2007
(Público)

"C’est vrai, je suis un provincial, je me suis fait sans demander la permission à personne. Je n’ai pas d’alliés parmi les maîtres à penser portugais et l’aristocratie de gauche."


É natural que não tenha aliados entre os grandes pensadores portugueses, e de facto Sócrates "fez-se" sem pedir nada a ninguém, ele dá algo em troca, ultimamente tem sido a democracia.
Gostava de salientar que acho imensa piada a pessoas que usam as expressões "fiz-me" e "aristocracia de esquerda". A primeira é engraçada por duas razões, por negligenciar o papel dos pais e por normalmente ser dita por pessoas que dominam bastante bem a arte do tráfico de influências e estão sediadas no bloco central, a segunda porque apela a um certo elitismo das ideias de quem é contra as elites.

Sócrates é um "upgrade" de última geração de Cavaco, ou melhor um modelo 3ª geração de Salazar.

Diz que é uma espécie de Europa democrática

Quando os líderes são "pobres" lá nos vemos obrigados a discutir as bases mais elementares de democracia, aquelas que em bom rigor não seriam alvo de argumentação mas sim a sua base.
Ora soam as trombetas, faz-se uma megafesta em quanto ao mesmo tempo se diz em voz alta que são tempos conturbados, temos acelerar o processo de ratificação do Tratado de Lisboa, a Europa precisa dessa mesma ratificação para ser salva. Quando os alarmes soam, da política para a realidade, em cima da hora, de repente, abruptamente, alertando-nos para uma tarefa que é preciso cumprir...a questão é sempre a mesma, pedem-nos a nossa irracionalidade, o nosso medo para aceitarmos o que racionalmente seria inaceitável. Ora, desta vez pedem-nos que abdiquemos da democracia participativa, lá nos contam uma mentirinha, dizem que a democracia representativa é igual à democracia participativa. Ora a matemática da realidade é esta:

D.P. >>> D.R.
D.P./D.R.= infinito

Ou seja a democracia participativa é infinitamente mais democrática que a democracia representativa, a democracia representativa existe por várias razões lógicas, por exemplo, porque não é temporalmente exequível que as pessoas decidam directamente sobre todas as matérias, é por isso que delegamos poderes, mas nunca os oferecemos...não em democracia.
Obviamente que aceitamos ser representados, a questão é que quem nos representa, "apenas" nos representa, não adquiriu o poder para nos poder ignorar, adquiriu o poder da decisão vigiada. É fácil perceber a relação desigual entre democracia representativa e participativa, Durão foi democraticamente eleito para representar Portugal em 2002, Durão não foi eleito para desrespeitar os 80% dos portugueses que se opunham à guerra no Iraque. Não existem razões lógicas para os líderes evitarem a democracia participativa, foi essa mesma que os elegeu, não é sério que alguém que aceitou a democracia participativa no momento de ser eleito, a menorize mais tarde usando os poderes que lhe foram concedidos por essa mesma tipologia democrática.

Logicamente defendo o referendo, e defendo o referendo independentemente do resultado, aliás que melhor bálsamo para o Tratado do que a ratificação popular, por outro lado, porque haveríamos de recear a opinião dos Europeus?

Belmiro, um democrata compulsivo, adianta que 'Referendo ao Tratado de Lisboa é "supérfluo"'

segunda-feira, dezembro 17, 2007

Bee-licious!

Jerry Seinfeld no bom nível a que sempre nos habituou!

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Lá estaremos!

Dia 19 de Dezembro, pelas 16h30m, Ricardo Artur de Araújo Pereira estará na Universidade de Aveiro, no auditório da Livraria da UA, para apresentar o seu livro «Boca do Inferno». A equipa do Coexistência lá estará, prometendo postar depois as lembranças que conseguir trazer.

AQUI fica o artigo completo do jornal online da UA.

quinta-feira, dezembro 06, 2007

"Public Service Announcement"

Decorrerá nos próximos dias 8 e 9 de Dezembro, no concelho de Sesimbra, o Campeonato Nacional de Skimboard SCS Surf Shop 2007, isto é, a mais importante prova do calendário nacional da modalidade!
Esta prova utilizará pela primeira vez na história do Skimboard nacional um sistema de julgamento informatizado, bem como resultados transmitidos em directo no site do Surf Clube de Sesimbra, em www.scs.pt!
Boa sorte a todos os participantes e que ganhe o melhor!

Espera aí, tu queres ver que...mau maria

Zapatero prometeu um bombom caso vencesse as eleições, é de chocolate e chama-se acabar com o imposto sobre o património. Como se sabe, ou caso não saiba devia saber, o governo espanhol actual está conotado com algumas características de esquerda que são do meu agrado, ainda para mais num contexto europeu ultra-liberal e ultra-conservador até parece refrescante. Mas esta notícia é preocupante por duas razões, primeiro é uma forma pouco digna de fazer política, visto que estando já no poder Zapatero alicia com algo caso seja reeleito, e, segundo, porque parece ser um aliciante a quem não precisa assim tanto de aliciantes...ou seja as classes altas. No entanto, Zapatero adianta que este é um imposto "que recai sobre as classes médias" e para o qual os ricos "encontram fáceis mecanismos de isenção". Na notícia podemos ler que este imposto recai sobre 1 milhão de espanhóis, das duas uma, ou até a classe média conhece esses mecanismos ou a classe média em Espanha tem somente 1 milhão de pessoas com património tributável...humm, não sei não, cheira-me a esturro.
Onde conta, ou seja na vida económica dos que mais precisam, o socialismo acaba "sempre" por ficar na gaveta à espera de "melhores dias". Sim, eu sei que o PSOE não é socialista, mas então que se vejam livres desse nome incómodo.

quinta-feira, novembro 22, 2007

Democratas de última hora

Uma das formas de combate ideológico mais recorrente no momento tem a especial particularidade de não debater a ideologia em si. Digamos que debater ideologias é um exercício desgastante e (deve e pode ser) muito esclarecedor, nada que se queira numa luta ideológica. Ora, esta batalha atinge agora o seu expoente mais alto porque existem uns "sul americanos" que andam a tramar os ocidentais, isto porque querem ser pagos pela suas riquezas naturais...malditos ditadores. Mas a luta é mesmo ideológica, nem sequer é uma luta racional pelo acesso aos recursos petrolíferos, e isto é demonstrável pelas razões mais simples. No contexto político internacional um dos acontecimentos mais relevantes tem sido a ocupação por parte dos EUA do Iraque, esta ocupação visa garantir aos EUA uma posição estratégica no controlo dos recursos petrolíferos. Esta ocupação é também claramente contra-producente aos interesses da Europa no acesso aos recursos petrolíferos, isto porque os EUA garantem a sua supremacia económica num mercado liberal precisamente sendo anti-liberais, garantindo a concentração (relembre-se que o monopólio e concentração é anti-liberal por ir contra a livre concorrência e é argumento de combate à propriedade estatal) de grande parte da matéria prima mais importante para os países desenvolvidos e criando quotas à entrada de produtos estrangeiros (o proteccionismo é escandalosamente anti-liberal). Mas ninguém (por ninguém entenda-se estes democratas de última hora) se lembra de acusar os EUA de serem perigosos socialistas que se protegem do mercado livre, ou até de ditadores que matam milhares de civis inocentes com propósitos hegemónicos, nada disso, são aliados, são "amiguinhos" dos Europeus, apesar de a sua estratégia consistir precisamente em controlar o crescimento económico europeu através do controlo das matérias primas necessárias à indústria. Ou seja, se calhar todas as recentes preocupações sobre o que se passa na Venezuela e Bolívia não sejam apenas preocupações estratégicas, porque em boa verdade grandes potências têm marcado posição induzindo distúrbios nas relações comerciais: a China desrespeitando atrozmente direitos civis e laborais básicos, os EUA e Inglaterra matando civis por hegemonia de recursos naturais, a Rússia através dos seus gasodutos e oleodutos... Mais, no programa Prós e Contras desta segunda-feira, a Arábia Saudita foi apontada como um bom exemplo nas suas relações externas comerciais, mas, curiosamente, nesse exemplo, as preocupações com a democracia desapareceram por completo. Então até fica difícil de perceber, afinal qual é a lógica inerente, tanto aceitamos países que usam os recursos energéticos como forma de nos controlar (EUA), como países que facilitam o acesso a esses recursos mas que ainda executam decapitações e são monarquias absolutas (aka ditadura da Arábia Saudita)? Então mas afinal em que ponto fica a Venezuela? E a Bolívia? A Bolívia é com certeza bem mais democrática que a Arábia Saudita, e até a Venezuela o será...pois é, isto é uma luta ideológica pura e dura, sem apelo nem agrado nem racionalidade à vista. É que as economias ocidentais tentam à força toda confundir democracia com privatizações e mercado livre, mas, em bom rigor, um país que opte através do sufrágio universal por políticas de nacionalização dos seus recursos também o é, mas as democracias ocidentais não parecem querer aceitar esta "estranha vontade democrática". É mesmo isto que se pode inferir das recentes discussões em torno desta nova realidade, havendo um historial de países ricos em recursos naturais e pobres em democracia e direitos humanos e havendo outros países que usam o controlo dos recursos naturais como reforço de poder na política internacional, o que torna estes casos tão especiais e polémicos? Pois claro, o alarme da ameaça ao modelo neo/liberal, a ideia de que uma democracia pode erguer um país socialista em que os recursos e riquezas naturais são nacionalizados e usados para distribuir riqueza na sociedade tem de ser destruída e catalogada de ditadura, mesmo antes de o ser. Convém esclarecer que não estou com isto a acreditar altos níveis de democracia nestes dois países, especialmente na Venezuela parecem emergir sérias ameaças à democraticidade deste país, aquilo que me recuso fazer é ao reconhecer os riscos e ameaças à democracia na Venezuela não o fazer sem antes me demarcar e desmascarar o que está implícito nestes discursos de "democratas de última hora".

quinta-feira, novembro 08, 2007

Calem-se bem caladinhos!

E agradeçam!
Por mais do que uma vez, já se ouviram adeptos do FC Porto a falar contra os "MOUROS" e a vilipendiar, assim, os habitantes do Sul do país.
Mas de há uns tempos para cá o cenário mudou:
- o seu mais bem sucedido treinador dava pelo nome de José MOURINHO;
- no ano passsado, uma das contratações da equipa foi o marroquino Tarik Sektioui;
- durante a época que corre, este mesmo jogador falhou alguns jogos, durante o Ramadão, por estar a cumprir perídodos de jejum;
- e agora marca-lhes um dos golos que lhes deu a vitória contra o Marselha.

sábado, novembro 03, 2007

Pó-pi-pá-ró... Pó-pi-pá-ré

Já há algum tempo que um anúncio televisivo não me arrancava uns risos... mas este conseguiu fazê-lo!

terça-feira, outubro 23, 2007

Sinónimos


Sócrates terá dito:
"Não decidir significa falhanço..."

Estou solidário e dou uma ajudinha neste jogo de sinónimos:
- Desemprego significa falhanço
- Emprego precário significa falhanço
- Corrupção significa falhanço
- Défice democrático significa falhanço
- Endividamento das famílias significa falhanço
- Incapacidade para lidar com o contraditório significa falhanço
- Populismo significa falhanço
- Marketing político significa falhanço
- Não referendar o tratado significa falhanço
- Não receber Dalai Lama significa falhanço
- Autoritarismo significa falhanço


Por outro lado, se tivesse dito que decidir significava sucesso, aí a coisa ficava difícil...

Fim da recessão democrática


Caso encerrado, a democracia polaca pode agora recuperar folgo e, principalmente, recuperar o título de democracia. Os liberais vão agora manter o rumo da direita, mais europeia, uma direita que sabe manter as aparências democráticas o suficiente para poder exercer políticas de injustiça sem grandes sobressaltos.

(o ícone da direita irá desaparecer simbolizando o fim desta tirania)

sábado, outubro 20, 2007

Direcção: errada; Sentido: em frente

"A corrida aos pólos norte e sul

A corrida às regiões polares, que possuem condições únicas para o estudo glaciar e climatológico, mas também para o estudo dos mecanismos de adaptação a ambientes extremos, é reveladora de como a crise energética mundial e o problema das alterações climáticas não está a motivar mudanças estruturais de comportamento nas grandes potências.

As disputas territoriais pelo Ártico e a Antártida agudizam-se. A possibilidade de exploração das enormes reservas de petróleo, gás natural e minerais aí presentes e de novas vias de transporte para o comércio internacional tornaram-se, no contexto actual, muito apelativas.

No início da semana foi a vez do Governo Britânico reivindicar a soberania sobre vários milhares de quilómetros quadrados na Antártida, contrariando o espírito do Tratado assinado em 1959 que salvaguarda este território como património da Humanidade e consagra-o à paz e à investigação científica. O Protocolo de Madrid, que entrou em vigor em 1998, declarou esta zona como reserva natural, interditando a exploração de petróleo e de gás no fundo do mar e a extracção de minerais.

Actualmente, cerca de 5/6 do território da Antártida está a ser reclamado por sete países.

No Ártico, o derretimento do gelo provocado pelo aquecimento global torna disponíveis o que se julga ser ¼ das reservas mundiais de petróleo ainda por explorar, abre novas zonas pesqueiras de espécies valiosas, como o salmão e o bacalhau, e novas explorações de minerais (diamantes, ouro, prata, chumbo, cobre, zinco). Abre ainda uma nova rota de ligação entre o Pacífico e o Atlântico, podendo constituir-se como uma alternativa bem mais curta que o Canal do Panamá, por onde passam actualmente centenas de milhões de mercadorias entre a Ásia, a América e a Europa.

A Rússia protagonizou recentemente um acto simbólico de reclamação da posse de uma zona do Ártico, mas outros países aí têm manifestado os seus interesses, como sejam os E.U.A, Noruega e Dinamarca.

Segundo o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, o aquecimento no Ártico é o dobro do registado no globo. As temperaturas no topo da camada de permafrost (contendo enormes reservas de metano, um poderoso gás de efeito de estufa que pode acelerar o aquecimento global) aumentaram em geral mais de 3ºC desde os anos 80. As suas piores previsões apontam para que em 2050 o degelo do Ártico seja total, mas já existem outros estudos que apontam para 2020. Também a Antártida está a derreter.

Esta corrida às regiões polares, que possuem condições únicas para o estudo glaciar e climatológico, mas também para o estudo dos mecanismos de adaptação a ambientes extremos, é reveladora de como a crise energética mundial e o problema das alterações climáticas não está a motivar mudanças estruturais de comportamento nas grandes potências.

Manter o actual paradigma energético assente nos combustíveis fósseis e acentuar a exploração de recursos naturais e a expansão do comércio internacional continua a sobrepor-se à necessidade global e urgente de travar as alterações do clima com justiça social. Preservar estes ecossistemas únicos é fundamental para assegurar o futuro sustentável do Planeta.
Rita Calvário"

Quando o banditismo tem enquadramento legal

Bandido em Portugal é um "pilha-galinhas", e embora este seja efectivamente um bandido, parece-me que os portugueses estão pouco sensibilizados para outro tipo de bandidos que os lesam bastante mais. Assim, vejo-me obrigado a falar da instituição bancária Millennium BCP, recentemente conhecida por ter perdoado uma dívida ao filho de Jardim Gonçalves, agora o BCP recorre servindo-se da benevolência (activa) estatal para com a corrupção. Obviamente que esta denúncia parece ser uma jogada de bastidores nesta luta pelo poder no BCP, tanto que o boçal Joe Berardo já se apressou a pedir que o caso seja investigado. Mas essas querelas entre gente boçal, corrupta e corruptora não é parte vital e de interesse público. Aquilo que quero chamar a atenção é para o facto de o recurso do BCP ter enquadramento legal, ou seja, quem, independentemente de segundas intenções, trouxe a público a corrupção nesta instituição privada...deverá ser punido por lei. Mais curioso ainda, é que provavelmente não existe enquadramento legal que permita punir o claro favorecimento concedido a um descendente do Presidente do Conselho de Administração do banco em causa. Portanto, esta denúncia provavelmente até terá somente os efeitos desejados, servir intentos internos na luta pelo poder, mas sem consequências legais para estes prevaricadores da Lei.

Aliás se queremos compreender como estas injustiças vigoram na sociedade portuguesa, basta ler o relato de Cravinho para perceber que inactividade e complacência pouco se distanciam de corrupção activa.

A garantia da liberdade de não dar garantias

Atenção, imagens de violência contra animais




Como sabemos, o mercado livre funciona bem por si só, sem necessidade de intervenção, pelo menos é esta a crença dos neo/liberais...
Mas como sou ateu, eu cá não acredito, sou desconfiado até de quem é "independente" e regula. Encontramo-nos num cenário de mercado livre, de oferta abundante, de variedade, mas se por um lado houve uma evolução exponencial nos bens de consumo, essa evolução não foi acompanhada por garantias de segurança ao consumidor. O consumidor deve saber que é barato, cheira bem, sabe bem mas saber as condições da produção, isso agora...é segredo empresarial. Acontece que os segredos empresariais podem ser negros, como o que podem visionar no vídeo acima que é referenciado pelo Golfinho, e se não nos sensibilizarmos pelos maus tratos animais, ao menos, que nos sensibilizemos pelos riscos acarretados para a nossa saúde. A PETA apela à adopção de um regime alimentar vegetariano, mas eu acho que devíamos ir mais longe, devíamos atacar o mal pela raiz, porque sem regulação no mercado, até a vida de um vegetariano fica complicada. Acontece que até os vegetais, saudáveis por si só, não o serão quando sujeitos às manipulações que mais convierem aos intentos do lucro fácil, logo se não queremos voltar à ruralidade e perder todas as vantagens de uma sociedade moderna, temos de defender um desenvolvimento sustentável, temos de regular, temos de nos vigiar mutuamente.
A ASAE em Portugal deu passos no bom sentido, mas o problema da ASAE é que não está a actuar no espectro todo e como tal está a inserir injustiça num mecanismo que pretende introduzir justiça. Ou seja, concordo plenamente que a ASAE seja rigorosa nos mecanismos de controlo de segurança alimentar, ninguém no seu perfeito juízo pode condenar essa acção por si, aquilo que falta é estender essa garantia às grandes empresas. Se visitarmos o site da ASAE
ficamos com a sensação de estar perante um orgão que pretende garantir que as grandes empresas vêem os seus direitos comerciais garantidos, isto porque podemos ler sobre apreensões de DVD/CD's piratas, fiscalização de acessos ilegais à TV Cabo..."apreensões" de camarão na Costa Nova. Ou seja, não estou a defender os acessos ilegais, nem o comércio de DVD/CD's piratas, estou a constatar que a actuação não se está a efectuar ao mercado todo. Nunca vi noticiado, "ASAE pune TvCabo por restringir transmissões televisivas pagas pelos clientes a pedido da SporTv", "ASAE confisca computadores que obrigam comprador a adquirir Windows Vista"... Ao não se actuar perante o mercado todo, a ASAE in/conscientemente apenas serve de garante dos interesses das grandes empresas, introduzindo injustiça no mercado e não garantindo na sua plenitude a segurança e garantia que os consumidores merecem.
É fácil de perceber por que nos restringimos em certos aspectos da nossa liberdade, é precisamente para garantir outros...

sexta-feira, outubro 19, 2007

C'est une espèce de plagiat

A canção que os Gato Fedorento cantam é nada mais nada menos que uma versão da canção "Petite mèche de tes cheveux", da autoria do mítico Claude François (cantor conhecidíssimo do universo francófono e não só, aliás é da sua autoria a canção "Comme d'habitude" que ficou imortalizada por Frank Sinatra com o título "My Way", depois de uma adaptação para inglês pelo cantor canadiano Paul Anka) e até a dança é ligeiramente inspirada!

Há coincidências do caraças, não há?

quinta-feira, outubro 11, 2007

Futebol é desporto...

Rugby talvez não seja... ou pelo menos para a SportTv não é. Digo isto porque durante o Mundial de Futebol de 2006, a SportTv impediu as transmissões dos jogos pelo canal M6 da TvCabo.
Agora que o Mundial de Rugby está a decorrer, as transmissões dos jogos no canal TV5Monde estão a ser transmitidas tal como acontece nos outros países em que o canal existe.

Os telespectadores "agradecem" o facto de um canal privado "permitir" que outros canais (pagos por esses mesmos telespectadores) difundam as suas transmissões livremente por esse Portugal fora.

No próximo sábado, pelas 19h, vai ser transmitida a meia-final entre a França e Inglaterra!

P.S. - vou torcer pela França!

É que gostam mesmo de animais!


PPD/PSD - Alguns factos sobre o partido:

1) Francisco Manuel Lumbrales de Sá CARNEIRO foi o seu fundador...

2) No "longínquo" ano de 1994, uns estudantes em manifestação em frente à AR ostentavam um cartaz no qual chamavam VACA à então ministra da educação Manuela Ferreira Leite...

3) Durante a campanha eleitoral de 2002, a esposa de Durão Barroso dedicou publicamente ao marido um excerto de um poema de Alexandre O'Neill, "comparando-o" a um CHERNE...

4) Em Outubro de 2007, Pacheco Pereira lança o livro "O Paradoxo do ORNITORRINCO - Textos sobre o PSD"... Diz que resolveu dar-lhe este título porque o PSD tem alguns paradoxos, tal como um ornitorrinco: (não me lembro ao certo das palavras de PP mas a ideia é mais ou menos esta) parece uma lontra mas tem um bico de pato, é um animal pacífico, mas pode ser extremamente agressivo; e o PSD tem gente de muitos quadrantes, é uma mistura de ideais, portanto, tem características paradoxais e por aí fora...

Conclusão a que cheguei depois de uma análise e uma reflexão exaustivas (que devem ter durado 2 micro-segundos e durante as quais se me atravessaram uma avestruz e um cágado pela frente): só por causa de ter proferido semelhante jumentada (sem ofensa para os animais), Pacheco Pereira já devia ter agradecido publicamente e com menções honrosas à União Zoófila, ter proposto a condecoração da instituição no dia 10 de Junho e fazer-lhe avultadas contribuições mensais. E os restantes membros do partido também deviam contribuir para a UZ.

Aliás, jumentos é o que não falta a esse partido...

domingo, outubro 07, 2007

Mas quando?

Quando é que a Judite de Sousa aprende a fazer Grandes Entrevistas como esta?
Independentemente de quem entrevista, Jon Stewart prova todos os dias que "sabe da poda"!

Para ver! (são só oito minutos)

terça-feira, outubro 02, 2007

Gatinhos já lambem as beiças

A entrada de Menezes na cena política, e digo cena política e não actividade política porque acho que sabemos que Menezes nunca se arriscaria a enveredar por esses caminhos...de cariz político. Assim, este entra mesmo em cena política, num palco onde actua e, portanto, como é a fingir ninguém leva a mal. Obviamente o humor em Portugal está prestes a entrar ebulição, assim há quem já afie as unhas e aborde o berço dos próximos textos humorísticos.

domingo, setembro 30, 2007

Frase do dia

"Estaremos sempre do lado do Governo... porque se formos na frente ele nos fode e se formos atrás ele nos caga!"

Encontrada AQUI

terça-feira, setembro 25, 2007

"Benefícios" dos monopólios

Viva a SportTv! que impõe as regras para aquilo que é seu (nada contra) mas impõe também regras ao que não lhe diz respeito!


O comunicado do TvTuga diz o seguinte:

"A partir de hoje, 25 de Setembro de 2007, o TVTUGA e qualquer site pertencente à sua rede despede-se da promoção do futebol e outros desportos. Nunca saberemos de que lado estaria a verdade, mas como sempre dissémos se houvesse algum contacto oficial da Sport TV, iriamos respeitá-lo. E é o que fazemos a partir deste momento.
Como a própria Sport TV afirma no seu email:
"Esta conduta, que consubstancia vários ilícitos criminais, causa graves e avultados prejuízos à SPORT TV Portugal, S.A.", assim sendo o TVtuga deixará de ser um site de criminosos e passará a ser um site limpo já que não toca na palavra sagrada: FUTEBOL.
Esperamos que ao longo destes meses tenham aprendido algo de útil aqui no TVTUGA e consigam por vocês próprios, sem a ajuda do TVTUGA, ver os eventos desportivos que se encontram abertamente espalhados por essa Internet fora. Uma última palavra de agradecimento aos voluntários da equipa de edição que se esforçaram ao máximo por manter essa secção actualizada.
O futebol acaba, mas o TVTUGA e a vida continuam...
"

Jornais ideológicos

Uma das formas mais fáceis de percepcionar o cariz ideológico dos jornais (veja-se a limpeza ideológica para perceber), mas sobretudo não assumido e sempre virado para os partidos de direita, é que perdem até racionalidade. Muitas vezes transfigurando factos objectivos a seu favor. Ora o Bloco, e em particular Louçã, costuma sempre ser oportuno e apontar o dedo a problemas concretos e reais, logo assim que possa aparecer uma oportunidade para noticiar o contrário...os cães atiçam-se na busca do osso. A questão é que a vontade é tanta que até transformaram nada num enorme banquete. O assunto prende-se com supostos sucessivos desmentidos por parte do governo a acusações de Louçã, como Louçã não costuma ser leviano nas acusações fui saber mais. E claro, são os típicos desmentidos, que são a confirmação da acusação mas focando pequenos pormenores e fingindo que isso faz toda a diferença.
Ora o jornal foca precisamente a questão do alargamento da Secil, e para esclarecimento estão aqui as duas versões dos acontecimentos:

Do jornal ideológico de direita

"Face às acusações do líder bloquista, o Ministério do Ambiente emitiu um "esclarecimento" sobre as suas "falsas declarações". Francisco Louçã, disse o ministério, pronunciou uma "fantasia". "A concessão da Secil da Arrábida não é feita numa base temporal mas de volume de extracção", lê-se ainda no comunicado.

Além do mais, "não está em causa o aumento de área licenciada mas sim a exploração em profundidade, ou seja, uma situação na qual não há lugar a qualquer alargamento da área de exploração actual". - J.P.H."


E do partido com representação parlamentar

"No comunicado, o Bloco destaca que "o Governo confirma as acusações do Bloco sobre o aumento da quota de exploração", observando que, "desmentindo o que considera uma fantasia, o Governo confirma as acusações do Bloco sobre o aumento da quota de extracção que o governo se prepara para autorizar, apesar do voto em sinal contrário da direcção do Parque Natural da Arrábida". O Bloco usa ainda de ironia para dizer que o governo "quer fazer crer que, permitindo o aumento de 60 metros na exploração em profundidade, está a limitar o desenvolvimento das pedreiras na Arrábida".

No desmentido do Governo afirma-se ainda que, "ao contrário do que disse o deputado Francisco Louçã, a ex-directora do Parque Natural da Arrábida não foi demitida", mas deixou de exercer funções, pois "com a entrada em vigor da nova Lei Orgânica do ICNB terminou a sua comissão de serviço, o que aliás aconteceu em outras situações

O Instituto de Conservação da Natureza (ICN) instaurou um processo disciplinar à ex-directora do Parque Natural da Arrábida, Madalena Sampaio, que poderá levar à anulação das deliberações tomadas numa reunião da comissão directiva do Parque que deu parecer contrário à intenção da Secil de expandir em mais 60 metros de profundidade as pedreiras de calcário e de marga da fábrica do Outão.". "


Um jornal até pode ser ideológico, agora não assumir essa posição e ainda por cima não sendo fiel aos factos...isso já entra em problemas ligados à deontologia jornalística e obviamente isto é inadmissível.

O criminoso precavido

Depois do filme "O Caimão" de Nanni Moretti para quando "O Cabrão" de Michael Moore.

Insultando gambuzinos

Parece que ofender seres imaginários é uma afronta nos E.U.A.

Gramaticalmente e na prática...uma treta

Castanheira Barros, candidato que não conseguiu assinaturas suficientes para entrar na corrida a secretário geral do PSD, diz ter uma proposta inovadora e é a seguinte:

"Na economia, defendo um capitalismo solidário através de uma simbiose entre o capital e o trabalho, com estruturação de carreiras e regras bem definidas para a aposentação"

Admitamos que, parcialmente, este indivíduo seja bem intencionado e que o próprio esteja convencido que seja possível uma "exploração razoável" da classe trabalhadora não detentora de meios de produção. Mas introduz um conceito errado, por uma razão simples, esta insistência numa forma de capitalismo que é solidária, equitativa...justa, é uma reformulação radical do conceito de capitalismo, e quando arrancamos pela raiz o conceito morre. Assim relembremos o que signifcam estas duas palavras:

Solidário

do Lat.solidu, sólido
que tem interesses e responsabilidade mútuos que torna cada um de muitos devedores obrigado ao pagamento total da dívida;

que dá a cada um dos credores o direito de receber a totalidade da dívida;

designativo de pessoas que, de certo modo e dentro de alguns limites, respondem umas pelas outras;
que se sente do mesmo modo;
que dá apoio ou auxílio a;
recíproco;

interdependente.

Capitalismo

s. m.,
regime económico e social caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e de distribuição, pela liberdade dos capitalistas para gerir os seus bens no sentido da obtenção de lucro, e pela influência dos detentores do capital sobre o poder político.

(Priberam)

Embora estas duas transcrições pequem por pobres, acho que percebemos que os dois conceitos são, se descontarmos descontextualizações oportunas, antagónicos. O capitalista que é solidário não é capitalista e o solidário que é capitalista é político... Todos percebemos que a obtenção de lucro parte da hipocrisia e da injustiça dos sistemas vigentes, isto porque o lucro é o prejuízo de outrem, que isso fique bem claro, não há empates e os perdedores não costumam voltar e vencer. O lucro traduz quantitativamente o excesso pelo qual um serviço ou bem é taxado em relação ao custo da sua produção, mas se o lucro levanta o problema entre a necessidade de baixos salários e desemprego para manter o capitalismo de boa saúde, outra questão que se põe é a do lucro sobre o lucro. O lucro sobre o lucro será no fim de contas o desajuste entre a margem de lucro de diferentes produtores, além disso, analisar o lucro percentualmente pode ser um erro crasso, basta pensar que 50% de lucro numa empresa de pequena dimensão de meias e 30% de lucro numa mega empresa concessionária de automóveis é abissalmente diferente. Aqui tratamos de uma injustiça que incide não só sobre a relação empregador-empregado como sobre a relação entre pequenas/médias empresas e grandes empresas. Existe uma relação desconfortável entre ser solidário e taxar excessivamente pela sua produção, ou seja uma relação honesta de solidariedade associada ao capitalismo é impossível. E ser solidário não é aos sábados, ou é a base da política ou então é populismo saloio. Obviamente estamos perante o populismo saloio, mas Menezes terá com certeza bem mais que oferecer nesse capítulo...as produções fictícias já devem esfregar as mãos de contentes.

quinta-feira, setembro 20, 2007

Os maiores exportadores de democracia...

...ficaram sem nenhuma para si, coitadinhos. Um país onde existe censura, racismo e, nos píncaros da hipocrisia, ainda exportam aquilo que não têm, isso mesmo, democracia. O vídeo que se segue é repugnante porque mostra como nos E.U.A. se lida com a verdade e com perguntas desconfortáveis, e os protagonistas até seriam os mais "democratas" possíveis.



(via Arrastão)

quarta-feira, setembro 19, 2007

Agora já não têm desculpa!

Se até aqui ser de esquerda ou de direita podia estar relacionado com questões culturais/sociológicas/cognitivas ou mesmo de apetites, um grupo de cientistas garante, agora, que está também relacionado com funcionamentos cerebrais diferentes.
Espantados? Eu também!
A notícia foi publicada no dia 11/09/2007 no DN e apresenta dados extremamente interessantes. Só posto agora por mero acaso (ao ler uma das caixas de comentários do Arrastão, encontrei par hasard o link para a notícia.)




P.S. - Está explicada a utilização cerebral feita pelos irmãos Portas!

terça-feira, setembro 18, 2007

Socrátes - o vendilhão

Num país em que parece não haver gente com jeito para o negócio, ressalve-se este Primeiro Ministro que, de facto, vende tudo o que pode. Ele vende democracia, integridade, programa de governo, mas também contrata criancinhas para estarem numa sala de aula em frente a um computador, resumindo é um investidor de fundo.
Aliás gostava de relatar dois excelentes negócios que o PM fez recentemente, começando pela venda da integridade nacional ao império ditatorial chinês, recusando assim receber Dalai Lama, e acabando na venda de portáteis de 150 euros que vinculam o comprador a três anos de assinatura de serviços de "internet wireless" de velocidades miseráveis. A acrescentar a isto temos o sentido de oportunidade de Sócrates que, ao dar esta "oportunidade" aos professores, está na realidade a demonstrar que estes são mentecaptos e que os engana bem, dizendo que vende um portátil por 150 euros quando acaba por vender um portátil com características em declíno no mercado a "prestações".

O murro que pôs em perigo a democracia


Aníbal Cavaco Silva é conhecido por ser parco nas palavras, no entanto é fácil perceber o sentido de Estado desta figura ímpar (espero bem que seja ímpar, singular...única). Recentemente foi questionado sobre a legitimidade do governo Madeirense (ditadura das bananas) para não aplicar a lei referendada sobre a interrupção voluntária da gravidez, Aníbal ciente que esta era uma matéria acessória e sem relevo recusou-se a pronunciar directamente sobre a questão (entenda-se tomar posição), mantendo o seu estatuto de PR que logicamente deve fazer uma triagem entre as matérias acessórias e de vital interesse. Mas quando questionado perante a atitude violenta do seleccionador Scolari no "terminus" da partida contra a Sérvia, Aníbal comentou este caso de vital importância para a democracia portuguesa. Estamos perante um acidente diplomático de proporções inimagináveis, esperam-se retaliações por parte do jogador sérvio Dragutinovic que ameaça insultar Pinochet na frente de Scolari.

segunda-feira, setembro 17, 2007

Este homem não pára!

Ainda há pouco mais de um ano AQUI fiz publicidade ao "novo" álbum de Ben Harper e eis que na última semana de Agosto é lançado "Lifeline". Tem apenas 11 canções (álbum pequeno se comparado com "Both Sides of the Gun") mas nem por isso menos bom. Se calhar até melhor em alguns aspectos!
Para abrir o apetite deixo aqui um pequeno excerto do artigo publicado em allmusic.com (está é em inglês! mas que se lixe...)

"This is a very informal-sounding record, and one that feels comfortable in showing its unvarnished side, its seams. And given that it was recorded completely in analog, fans would be well advised to pick up vinyl copies as well and compare the two; the prediction is most likely the vinyl sounds fuller and warmer."

Grande som, grande homem (nunca mais chega a hora de o ver ao vivo)!

domingo, setembro 16, 2007

Que soem as trombetas!!!

Atrasadas é certo, mas mais vale tarde do que nunca!
Todo este alarido para anunciar, a quem ainda não sabe, que Ricardo Araújo Pereira, Zé Diogo Quintela, Bruno Nogueira e Herman José têm um novo espaço internáutico (não sei se a palavra existe)...
Dá pelo nome de "Os Incorrigíveis" (para além das aspas gráficas, devem ser acrescentadas por cada um umas aspas com os dedos indicador e médio a flectir no ar) e vai ser actualizado semanalmente pelos quatro humoristas (não sei se o Herman ainda se encaixa nesta categoria mas dou o benefício da dúvida)!

Os primeiros 4 vídeos de apresentação já podem ser vistos AQUI

quinta-feira, setembro 06, 2007

Moribundos...mas vivos

Serve este singelo post para deixar testemunho e constatar o facto de correr sangue nas veias dos autores deste blogue, apesar de não correrem ideias nos encéfalos dos mesmos. Serve também para lamentar o assassinato do blogue O Quarto Poder (do qual sou co-autor), assassinato que parece ter a complacência da gerência "blogger", dado que quem se apodera do blogue opta sempre por fazer publicidade à amazon.com (digamos que a amazon deve ser parte interessada)...enfim teorias da conspiração.

Que comecem lá as politiquices porque a sacana da garota inglesa teima em não dar notícias.

terça-feira, julho 31, 2007

O cinema digital está aí!

Fui ontem ver "The Simpsons Movie" em formato digital. Boa experiência, visto que a imagem é bem melhor e o ecrã GIGAAAANTE! É como se estivéssemos a ver um DVD, exceptuando o facto de estarem mais 200 pessoas na sala. E o mais curioso é que durante o intervalo a imagem ficou pausada no ecrã. Querem ver?


O filme agradou-me bastante porque junta uma história original às personagens que já conheço desde 1991, e que continuam a fazer-me rir.
Confesso que quando comecei a ver tamanha promoção na TV, na imprensa e na Net, receei que o filme não fosse assim tão bom, mas como se trata dos "Simpsons", dei o benefício da dúvida.
E possso afirmar que correspondeu às minhas expectativas. Com piadas capazes de pôr a sala inteira a rir, pode-se dizer que a equipa de Matt Groening continua a ser imprevisivelmente engraçada, mesmo fazendo a série há quase vinte anos!
É por isso que adoro os Simpsons desde que tinha 10 anos: sempre que vejo um episódio (neste caso o filme), sei que me vou divertir! Só não sei é com quê! É imprevisível mas ao mesmo tempo familiar!
E é precisamente por isso que continua a ter piada! (É a chamada evolução na continuidade!)

quarta-feira, julho 25, 2007

Políticos pequenos, democracia minúscula


A vitória do PS em Lisboa foi grande, mas muito grande mesmo, basta ter um bocado de perspectiva para o perceber, falamos de "políticos pequenos", logo tudo para estes parece maior. É um "portugal dos pequeninos" (tão pequenino que inclusive o nome do país se escreve com letra minúscula), onde o Soquinhas e Costinha descobriram que não é preciso ser grande gente para ser gente grande.
A democracia participativa está definhada, já nem temos de questionar a fraca percepção dos portugueses em relação aos meandros da política, simplesmente estes desistiram...e quem desiste perde. Entretanto, deixamos a vida pública entregue à pequenada...que é danada para a brincadeira.

terça-feira, julho 17, 2007

Perguntas pertinentes (devidamente ilustradas)

Com a chegada da silly season, resolvi recorrer ao álbum de fotografias tiradas em férias anteriores. Para já, posto estas duas, ficando a promessa de postar mais quando as encontrar.

Será o alter ego do Taveira?
(Foto tirada em Tondela, na morada visível no dia 22-3-2005. Quem se apercebeu das coincidências foi a minha mulher. Se lá passarem agora está ligeiramente diferente.)




Será o símbolo dos paralímpicos?
(Foto tirada na A25 a 17-7-2005. Ainda está assim.)

quarta-feira, julho 11, 2007

A nova moda de excelência..quotas


Não será grande novidade se eu disser que quando se fala de dinheiro fica tudo estúpido, sim de dinheiro, porque em lado algum será razoável que num processo de avaliação o acesso às melhores qualificações esteja à partida limitada. Se eu dissesse que nas universidades as notas superiores a 17 estivessem à partida vedadas a 75% dos alunos toda a gente achava ridículo, não é sério num processo de avaliação "ter vagas" para notas, por uma razão simples, isso inquina o processo avaliativo em si. Caso exista mais de 25% de indivíduos com essa classificação, o avaliador vai ter de inquinar o processo de avaliação para poder satisfazer o critério mor de vedar esse acesso aos demais.
Mas as quotas na avaliação pública não são mais que uma fantochada do governo para poupar dinheiro em ordenados de funcionários públicos, a este processo desonesto de contenção orçamental o governo teima em apelidar de reforma. Para já se o governo gosta tanto de excelência e preza tanto as avaliações não sei porque ignora a própria avaliação que muitos portugueses parecem fazer deste governo. Assobios no estádio da Luz não deve ser um "muito bom"...
Mas indo ao que interessa, o que aqui verdadeiramente está em causa é um jogo político que agrada a uma classe em particular, chama-se neoliberalismo e basicamente caracteriza-se por querer gente altamente formada e não corresponder com a sua parte, ou seja salários condizentes com essa condição. Quando o governo fala de novas oportunidades está a entrar num processo de autismo atroz, está a negligenciar que os agentes empregadores assim como o próprio governo, enquanto agente empregador, não estão sequer a dar resposta às pessoas que já investiram na sua formação. E são precisamente os individuos de formação superior os primeiros a reconhecer essa situação. Por exemplo, há minutos, ouvi no programa opinião pública da Sic Notícias uma funcionária pública de 31 anos que após a sua incursão na função pública tirou uma licenciatura e no entanto 3 anos após ter concluido essa mesma licenciatura aufere um salário de 625 €. Por outro lado ouvi também um metalúrgico de Aveiro dizer que os funcionários públicos só fazem greves e que por sua vez no privado quando o patrão não faz aumentos é porque não pode (coitadito). E nestes dois exemplos está um retrato perfeito de Portugal, um funcionário sem formação superior a dizer que outros funcionários com formação superior são uns privilegiados, apesar de alguns deles ganharem o mesmo ou menos que este. Ou seja temos um sector como a função pública atenta e consciente dos seus direitos a ser denegrida em público, enquanto se pretende um modelo privado de pessoas com baixa formação mas que digam sim ao patrão porque nem sequer percebem muito bem o que se passa. Esta é a grande vitória deste governo, depois de ter denegrido a imagem da função pública, conseguir que outros desprivilegiados movidos por sentimentos primários de mesquinhez se mobilizem no sentido de diminuir o poder de compra dos funcionários públicos. Enquanto isso os mecanismos que agudizam as assimetrias sociais ganham força e, por estúpido que pareça, têm também o apoio dos que estão na simetria oposta da riqueza. Enfim, se calhar os "fracos" vieram mesmo ao mundo para ser esmagados, ironicamente, em democracia, por eles mesmos.


segunda-feira, julho 09, 2007

Os melhores 5 livros dos 2 que já li

Respondendo ao desafio do caro José Paulino estou na disposição de enunciar 5 livros que gosto, mas sinto que os melhores livros da minha vida ainda estão para ser lidos, assim proponho-me eleger alguns livros que não li...e que nem irei ler pois são intelectualmente superiores. A graduação dos livros está por ordem decrescente de qualidade.

LUZ - Pergunte. O céu responde Mensagens de Jesus (Alexandra Solnado)

Eu, Carolina

Momentos (Cristiano Ronaldo)

Robótica Industrial

Aparição (espera aí...mas este é mesmo um livro)


Decidi não passar a "batata quente" a ninguém, porque depois desta minha colectânea de qualidade superior fica difícil de superar, em termos de literatura erudita, as minhas escolhas.

segunda-feira, julho 02, 2007

Postura pró-activa!


O seu nome é Catherine Tate e a personagem chama-se Helen Marsh. Gosta de agradar e julga-se capaz de tudo. Para ver aos domingos à noite na RTP2, na rubrica Britcom, que estreou ontem um episódio de Extras, a "nova" série de Ricky Gervais.

sexta-feira, junho 22, 2007

Sobre a contrução de um novo aeroporto


O governo é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é desinteresse
O interesse que deveras sente.

E os que vêem o que faz,
No desinteresse visto sentem bem,
Não os dois que ele teve,
Mas só o que ele não tem.

E assim pr'ós lados da Ota
Gira, a entreter a razão,
Esse aeroporto de corda
Que se chama encenação.

quarta-feira, junho 13, 2007

Mais uma vitória do Governo


Estamos perante o governo com maior capacidade de diminuir despesa, neste caso relato a capacidade de poupar em despesas de saúde. Imagine-se uma mulher de 51 anos que é doente e tem diversificados problemas de saúde e tem um SAP a 500 metros. Agora fechamos o SAP e mandamos essa pessoa num veiculo durante 50 quilómetros até Évora. Ora tudo somado temos uma morte, um SAP a menos, menos despesas de saúde, menos subsídios...uma gestão eficaz que nos permite morrer ou viver (para os que teimarem sobreviver) mais felizes.



P.S. De seguida espera-se um relatório científico em que o governo prova que a mulher ia morrer aos 490 metros e que logo o governo nada podia fazer...ou sejá está tudo bem.

É somente fruta..




Se a mediatização da Justiça tem efeitos negativos, o efeito positivo que terá será precisamente tornar público que a Justiça portuguesa é em si um efeito negativo sobre a sociedade portuguesa. Parece que Maria Morgado descobriu a pólvora, e que Pinto da Costa é capaz de ser um agente corruptor...estou escandalizado e principalmente surpreso. Já cheira a podre e apressam-se as críticas pessoais direccionadas a Maria Morgado, porque defender Pinto da Costa concretamente...ninguém defende, aquilo que se espera é que se mantenha a normalidade da injustiça. Mas mais interessante disto tudo é saber o teor das conversas e ver as conclusões sobre essas mesmas evidências, as escutas pareciam evidenciar que Pinto da Costa forneceria "fruta" e "café com leite" ao árbitro que por acaso iria apitar um jogo de seu interesse. Mas repare-se que nada de grave se passa, é somente fruta, qual é o problema de oferecer fruta a um árbitro que vai apitar um jogo referente ao clube que é por nós dirigido? Nenhum...obviamente. A coisa só fica grave quando se descobre que "fruta" não é fruta, será "algo" de maior valor. Isto lança uma dúvida interessante, afinal parece que corromper alguém com valores reduzidos e simbólicos não é corrupção, o valor da transacção que materializa a corrupção é também decisivo, ao ponto de poder ou não ser corrupção. Esta lógica é bastante interessante visto que é aplicada ao coitadinho do Pinto da Costa mas não à velhinha satânica que roubou um creme de 3.99 euros ao Lidl.

quarta-feira, junho 06, 2007

Eu até mudava 100...

Em notícia do DN de hoje, diz Poul Rasmussen (o "pai" do primeiro modelo de flexigurança) que o trabalhador médio na Dinamarca muda de emprego 15 a 20 vezes, mas mais de metade destas mudanças ocorrem dentro da própria empresa, ou seja, são promoções (não tenho problemas nenhuns com "estas" mudanças).
Outro dos factos apresentados é tão somente este: na Dinamarca um trabalhador que seja posto fora do seu emprego "leva, em média, 10 a 14 dias" a encontrar uma alternativa, garante o "pai" da flexigurança. Já no nosso país, o mesmo processo leva mais de um ano.
Qual a conclusão que retiro disto tudo?
Eu até nem me importava de mudar 100 vezes de emprego DESDE QUE TIVESSE UM (que não fosse precário) ou soubesse que mesmo em caso de despedimento, ao fim de duas semanas estava outra vez a trabalhar. Agora com a situação que se vive em Portugal as coisas são bastante diferentes...
Para finalizar Rasmussen afirma ainda que "não se pode competir com salários baixos, mas sim com altas qualificações". De facto, este parece ser o caminho menos mau, mas mais uma vez, em Portugal, 8,6% dos desempregados tem formação superior... nada de alarmante visto que estes 8,6% são apenas 40 411 pessoas.

P.S. - Oh João! estamos perante mais uma minoria!

O mundo chocou-se com tamanho atropelo à liberdade de expressão

Rigor informativo














Na Sic Notícias relatava-se o caso de um indíviduo que saira de um coma de 19 anos. A entrevista salientou o facto de este ter entrado em coma durante o período dominado pelo regime comunista e ter acordado num regime democrático, acontece que o indivíduo é polaco e a democracia é esta (via Devaneios Desintéricos).

Desde que a turma não falte toda

Era uma vez uma turma de 40 alunos, faltaram 15, e a professora pensou está tudo bem, se faltassem os 40 é que havia algo de errado.

Era uma uma vez um indivíduo que comprou um par de sapatilhas e no entanto quando chegou a casa faltava uma e pensou, "não há problema se faltassem as duas é que era grave".

Era uma vez um indivíduo a quem faltava 40% do cérebro, mas ele pensou "nhe nhe nhe", ou seja achou que estava tudo bem desde que não faltasse o cerébro todo.

Era uma vez um governo que fez questão de alertar para o facto de não haver greve geral...

Portanto desde que não haja descalabro está tudo bem, o todo não é importante desde que estejamos satisfeitos com a parte, pode faltar uma sapatilha, 15 alunos, 40% do cérebro ou 1,4 milhões de trabalhadores (segundo A CGTP). O governo mobilizou-se de forma árdua para que toda a gente soubesse que não se tratava de uma greve geral, isto é claramente um duro golpe nos críticos do governo visto que de facto este tem uma excelente capacidade de mobilização e actuação. De facto se virmos bem toda a política socialista é bastante coerente, repare-se que também os 20% por cento de pobres portugueses também não são motivo de preocupação.

Isto remete-nos para o papel da democracia, afinal a democracia tem vencedores e vencidos, o que fica para os vencidos? A que ponto são relevantes as minorias? Será que todas as minorias são iguais perante a democracia? Desprezáveis?

Se repararmos existe um discurso bastante perverso na política e que reflecte os grandes problemas das sociedades ocidentais, bastou o governo introduzir no léxico noticioso as singelas palavras "não houve greve geral" e o país subitamente ficou mais feliz. O governo não precisou de dizer desprezem a minoria que está descontente com a sua situação laboral, apenas precisou de lembrar ao público que se trata de uma minoria, "nós já sabemos" que uma minoria é desprezável. No fundo é isto mesmo, é dar ao público algo fácil de identificar, é geral ou não é geral?...não é...então despreze-se. A própria política é assim, se há maioria no parlamento a democracia começa a parecer uma formalidade aborrecida.
É essencial garantir o mínimo que satisfaça maioria, é preciso tratar bem as minorias que jogam com as maiorias e garantir também que a maioria não se condoa com as minorias. É o mínimo consenso possível que permite perpetuar a injustiça, a democracia é jogada de forma cínica, científica, no sentido de garantir uma classe média satisfeita e manter os atropelos na clandestinidade.

Convém relembrar que a democracia surge em oposição a regimes autoritários no sentido de alargar o bem estar e os direitos individuais, tendo isto em conta não me parece suficiente democrático ter uma maioria satisfeita negligenciado as minorias insatisfeitas.


quarta-feira, maio 30, 2007



Se apoiam a greve e têm um blogue, usem no vosso. - via Arrastão

sábado, maio 12, 2007

Causa vossa

"Folheando" as páginas do blogue intitulado Causa Nossa sinto menos apreço pelos escritos do que sinto por um blogue de direita, isto porque os segundos não se apropriam do título de esquerda...ou seja nesse capítulo são mais honestos.

Estes posts sugerem-me alguns cometários:
Disparates

Ora resumindo a pluralidade para Vital Moreira é um disparate, essa coisa da representatividade parlamentar que traduz nada mais nada menos que a vontade democrática é um absurdo. Ou seja a transmissão de propaganda governamental não preocupa Vital Moreira, ele está preocupado com o loteamento partidário do espaço noticioso. Isto é nos brindado com mais um daquele tipo de posts muito bons em que quem escreve diz que não será propriamente necessário, que pode até ser perigoso e quem sabe o alinhamento cósmico não esteja muito favorável a essa medida.

Mias uma "medida neoliberal de direita"

Aqui VM mostra como é capaz da mais fina ironia, repare-se bem que ele enuncia uma medida de esquerda intitulando-a de medida neoliberal de direita. É neste jogo fino de ideologias que VM dá uma valente vergastada em quem acha que Socrátes é direita. À semelhança de quem pensa que Blair, por apoiar uma invasão unilateral à revelia do Conselho de Segurança da ONU, por ser responsável por centenas de milhares de mortos iraquianos, por criar um Estado polícia de invasão de privacidade é de direita...e principalmente um populista e mau político. Quem assim pensa é estúpido e assim será vítima da mais fina ironia de VM.


Lição de democracia

Neste post talvez VM se descaía, ou seja confunde democracia com formalidades democráticas o que explicaria muitas das barbaridades por si proferidas. Um Estado responsável por inúmeras atrocidades e pela pobreza vivida na Palestina "dá um exemplo de democracia" ao receber um relatório que enumera as falhas de dirigentes e governantes na Guerra contra o Líbano. Apesar de terem destruído um país que se tinha reconstruído, estes são verdadeiros democratas por aceitarem levar um raspanete, apesar de até poderem continuar a portar-se mal. Ou seja valorizamos o lado formal da democracia (o relatório/raspanete) fazendo assim uma negligência astuta da verdadeira democracia (não ter atacado o Líbano).

Sim... este é o trabalho deles!

Quem não conhece os MythBusters? Provavelmente, muita gente! Mas para além dos programas que se podem ver no Discovery, há alguns que não vão para o ar...
Este é um desses programas e a equipa aproveitou para regressar à adolescência ao testar dois mitos que envolvem ventosidades intestinais.



segunda-feira, abril 23, 2007

"Mes amis racistes"


A população francesa espelha hoje que a ignorância não tem pátria, apesar disso estas presidenciais espelham o desejo de proteger a ignorância autóctone como a mais válida. Um país que é reconhecido como sendo exemplar no domínio da conquista de direitos está a padecer do "vírus liberal", "le chômage" (o desemprego), os bairros sociais... A França demonstra actualmente que é tão incapaz de lidar com os actuais problemas como muitos outros países, não há educação, não há escolarização que salve um país, ou nos "damos ao trabalho" de ser sérios, anti-populistas, anti-xenófobos...ou fazemos o contrário e pomos adubo em cima do problema. O meu desencanto com este país é tanto que parece que as civilizações civilizadas já deveriam fazer parte dos manuais escolares de história.

As eleições presidenciais em França são discutidas em Portugal como se tratasse de uma procura de mercados...quem vai ganhar o mercado da xenofobia? Não sei, mas sei que o mercado é a xenofobia e isso parece nem ser algo que mereça nenhum relevo informativo. Quem mandar mais magrebinos, "monhés" para a terra deles, esse é o político do futuro, um grunho engravatado que diz as barbaridades da tasca numa doce melodia.


Global Days for Darfur (link)


quinta-feira, abril 19, 2007

A ver se é desta!

Depois da "perseguição política" (segundo as palavras do Pinto que também é Coelho) que a PJ efectuou ontem, espero que desta vez consigam manter os criminosos atrás das grades. Porque perante delinquentes dissimulados (embora todos saibam quem são e o que fazem) é fazer como se fez com o Al Capone... apanhá-los e condená-los nem que seja por fuga aos impostos!
Agora, se é para daqui uns dias ou mesmo semanas andarem outra vez cá fora, mais valia terem-nos deixado ficar onde estavam.

Não percam o próximo episódio porque nós também não!

sexta-feira, abril 13, 2007

A Doninha

Gosto de Da Weasel desde que eles apareceram por aí. Nessa altura, eu tinha 14 anos e a música que prendeu a minha atenção chamava-se "Adivinha quem voltou". Era uma "fusão de muito som" (parafraseando a letra) que misturava uma guitarra rock, um baixo funk, uma batida que fazia lembrar beatbox e uns scratches para completar o ramalhete!
Era assim que se podiam definir os Da Weasel e é assim que eles continuam hoje em dia. O novo álbum Amor, Escárnio e Maldizer vem confirmar isso mesmo. Muitos dirão que se afastaram do movimento underground que os caracterizou nos anos iniciais, mas, do meu ponto de vista, isso deveu-se a uma evolução muitíssimo positiva em termos musicais. Mesmo assim, a fusão continua presente nas canções do novo álbum. Ora com a Czech National Symphonic Orchestra, ora com Bernardo Sassetti ou mesmo com os Gato Fedorento.
Neste álbum encontram-se canções vindas dos mais variados quadrantes: o single "Dialectos da Ternura" é a canção mais "orelhuda" mas dificilmente é a melhor; as letras continuam a fazer-nos pensar e até o José Luís Peixoto escreveu uma (muito bem conseguida); e os interlúdios estabelecem uns momentos de pausa entre as várias faixas!
Mais haveria para dizer (longe de mim querer fazer uma análise exaustiva) mas deixo aqui apenas as minhas primeiras impressões...
Quem quiser saber mais pode sempre visitar o site oficial da banda onde se pode encontrar a letra das canções e ouvi-las todas na íntegra!

P.S. - Fico a aguardar os espectáculos ao vivo!

segunda-feira, março 26, 2007

Abstenção democrata - o caminho para a ditadura democrática




A nomeação de Salazar como grande figura portuguesa foi uma verdadeira lição de democracia que os fachos deram à nossa...democracia. Estou descansado, o próximo ditador que tivermos não chega lá sem votos...na na na, nem pensar, vai ter de se sujeitar a eleições para democraticamente poder reinvindicar o seu direito de oprimir e quem sabe...matar uns dissidentes. Aliás matar os dissidentes é por si um processo democrático de obter maiorias absolutas, garantindo através de um processo selectivo de aniquilação que as votações seguintes irão reforçar a legitimidade do nosso opressor democraticamente eleito. Portanto se hoje Salazar fosse vivo poderia ser um ditador muito melhor do que foi, porque na altura teve muita contestação agora teria muito apoio, aliás bem posso imaginar todos os tugas desiludidos com a democracia a gritarem de satisfação "Avé Salazar" enquanto eram chicoteados violentamente. Este regime seria revolucionário porque nos mecanismos de tortura os portugueses iriam descobrir que são sexualmente mais desinibidos do que pensam, retirando prazer de todos os mecanismos de tortura e deliciando-se com os mesmos. As mulheres podiam voltar para casa e satisfazer os caprichos sexuais dos seus homens sem reinvindicarem, recorrendo o homem ao uso da força que como é óbvio é um desejo das mulheres oprimido pelas sociedades democráticas que elegem lideres democráticos. O futuro reside na ditadura democrática, um passo atrás para dar um chuto em frente nos direitos dos cidadãos, que não precisam de direitos, precisam antes de disciplina, porrada e pão com manteiga, tudo o resto são caprichos de sociedades modernas que não perceberam o que é essencial na vida. Por outro lado a desigualdade social acabaria, os pobres em vez de serem pobres morriam de fome e aqueles que se queixassem levavam um balázio nos cornos. Os problemas com a Segurança Social e direitos laborais acabavam, como toda a gente sabe (a direita sabe isso melhor que ninguém) isso é para maricas, homem que é homem é explorado pelo seu semelhante e não grita, não reclama e não chora. A eutanásia era finalmente abrangida pela nossa constituição, era efectuada ao tiro a pessoas agrupadas em linha e que padeciam da grave doença denominada "dissindentus democraticius".

Voltando ao contexto do concurso, convém salientar que todos os outros candidatos, quase sem excepção, eram fraquíssimos porque todos eles ajudaram a construir Portugal, quando toda a gente sabe que Portugal nunca devia ter existido. Logicamente o prémio tinha de ir para quem mais contribuiu para que Portugal estivesse perto de não existir...nesse aspecto Salazar é claramente a escolha certa.

sábado, março 24, 2007

Hora Espanhola?


Em notícia avançada ontem pelo DN, "quatro confederações patronais escreveram ao primeiro-ministro, José Sócrates, a pedir a uniformização da hora legal em Portugal com a que está em vigor na maior parte dos países da Europa continental."

Estes senhores entendem que "a hora legal portuguesa deve coincidir com a hora dos países da Europa continental, com os quais o nosso país mantém intensas relações comerciais, nomeadamente Espanha."

Por mim, a única maneira de me convencerem a reger-me pela hora espanhola era, em primeiro lugar, implantar a SIESTA, ou seja, das 14h às 17h ninguém faz a "punta de un cuerno" e, em segundo, porem-nos a ganhar tanto como eles! Mas parece que essas condições não faziam parte da proposta!

Tenham juízo homens!

sexta-feira, março 23, 2007

Irreversível?



De todos os lunáticos, aqueles que julgam saber as evidências da verdade são os mais dificeis de recuperar.

quinta-feira, março 22, 2007

Dom Quixote tinha moinhos...

Procurando eu sempre estar atento às realidades que se afiguram agradáveis mas que escondem realidades sombrias, ainda não vislumbrei a realidade sombria que se esconde por detrás da corrente multiculturalista e que parece ser a ameaça do novo século. Como já falei das beneces do multiculturalismo, proponho-me apenas analisar o seguinte excerto de um texto do blogue armadilhas:

"The first pitfall of Canadian multiculturalism is the assumption about the nature of ‘culture’ that underlies it. The Canadian model presumes that the ethnic diversity dilemma posed by migrating people is about reconciling cultural differences. Its ‘solution’ is to develop strategies that harmonise these differing ‘cultures’ and mitigate tensions between them. This conceptualisation implies that culture is a discrete entity with specific characteristics: that it is bounded, homogeneous, and static.

Bounded cultures rely on exclusionary principles: to be distinct from another, there must then be an ‘us’ and a ‘them’. Moreover, in order for there to be ‘cultural differences’, cultures must be different from each other and the same within themselves. In this way, ‘cultures’ have an ‘authentic’ core. And with the claim of authenticity comes the question of legitimacy: who is the legitimate representative of ‘the culture’?

(...)

The second pitfall of Canada’s approach to multiculturalism is that culture in Canada is treated as something that ‘other’ people have – namely non-white, non-English-speaking, numerically in the minority people. In the national discourse, it is French Canadians and Aboriginal people (including First Nations, Inuit and Metis) and non-white immigrants that have culture. It is their customs and language and foods and clothing – their ‘ways’ – that illustrate ‘culture’. White English Canadians are presented as the neutral backdrop against which ‘other’ people are different. Multiculturalism, then, is something that is needed for the racially different Other.

(...)

Similarly, a number of cases have been documented where ethnic minority men have been able to effectively use ‘culture’ as a defence when charged with assaulting their wives. Arguing that their abuse is ‘culturally appropriate behaviour’, men in these cases have been able to secure more lenient sentences in court. In one case, judicial comments claimed that an abusive relationship was sanctioned by the ‘South Vietnamese cultural backgrounds’ of the man and woman involved.

It is precisely because Canada has such a firm relationship with the idea that ‘multiculturalism is good’ that ‘culture difference’ is accorded so much deference. In the effort to be inclusive and respectful of differences within the context of past colonialism, present cultural imperialism, and ongoing racism, officials of the state sometimes err on the side of cultural relativism rather than universal human rights. It is here, in the space between relativism and universalism, that the threat to women’s rights sits."

A primeira falha apontada é a de que a concepção conciliadora da abordagem multiculturalista tem por base um conceito restrito e limitado de cultura, como sendo estanque e intemporal. Isto é uma falácia, basta perceber que para analisarmos uma realidade não podemos abordar todas as suas especificidades, isto já acontece nas nossas leis e constituições, legislar, regulamentar é uma generalização que tem inerente um carácter abrangente e passível de interpretação. Além demais, o que caracteriza uma cultura são as suas especificidades, logo ao apontar essa abordagem como defeito está-se a ignorar por completo aquilo que nos leva a identificar culturas.

A segunda falha será que o conceito de multiculturalismo, na abordagem Canadian, é um conceito racista, no sentido em que defende o multiculturalismo como algo necessário para outras pessoas de diferentes raças e credos, apresentando a população Canadiana Inglesa como neutra e implicitamente superior por isso mesmo. O que é anunciado aqui é uma perversão do multiculturalismo, como se fossem pessoas exteriores a determinar as culturas dos outros e não os próprios a determinar a sua cultura, mais uma vez esta é a patranha número dois, porque mistura claramente conceitos diferentes, o racismo com o multiculturalismo. Está bem patente nos pressupostos do multiculturalismo que não será reconhecida a superioridade de nenhuma cultura, este procura a conciliação de conflitos não os inventa, logo aquilo que está em causa é uma concepção racista bem distinta do conceito multiculturalista. Os problemas existem, eles têm é nomes diferentes, se o racismo se esconde por detrás de uma aparência multiculturalista não vamos culpar o multilculturalismo, não é justo...não é sério.

Mais uma vez surge o relativismo também como papão, como se tudo ficasse estúpido perante esta singela palavra. O relativismo cultural não nega valores universais como o direito à integridade física, este percebe que as culturas se afirmam pelas diferenças e que ser diferente não significa ser inferior ou superior, significa somente ser diferente. Percebemos que em certas culturas se usem trajes diferentes, se comam alimentos diferentes, se viva de maneira diferente...e aceitamos, nada disso significa tolerar a barbárie, o desrespeito pelos direitos humanos. Estamos perante um discurso radical, na medida em que não é capaz de contextualizar e balisar os termos, defender um relativismo cultural não implica negar direitos universais. Assistimos à proliferação de discursos mais ou menos eruditos, mas sempre muitos fanáticos e verticais, incapazes de perceber toda a complexidade de realidades alheias. O multiculturalismo é muito exigente, porque obriga-nos a perceber a diferença sem nunca abdicar de valores universais, infelizmente nem toda a gente pretende fazer o percurso mais difícil, prefirimos sempre o mais rápido e fácil que peca por espezinhar a diferença, quer por querer ser tudo (exclusivamente universalista) quer por não querer ser nada (relativismo absoluto).