quinta-feira, março 26, 2009

As sondagens valem o que valem...

Mas os resultados desta falam por si.

(clicar na imagem para aumentar)

De como se percebe que aquilo que a maioria quer nem sempre é posto em prática (o que diz muito sobre a democracia pouco representativa de índole capitalista em que vivemos)! De como não se fica a perceber que, daqui a seis meses, a abstenção volte a ter maioria! E, finalmente, não se percebe de que é que estamos à espera para ganhar a coragem de eleger quem tem coragem para aplicar medidas de que todos precisamos!
Sem pré-conceitos, sem medos, sem "variações à volta dos colh..."!!!

sexta-feira, março 13, 2009

Manifestação junta 200 mil pessoas por uma mudança de rumo político

Com o lema "Mudar de Rumo, Mais Emprego, Salários e Direitos", a CGTP encheu a Avenida da Liberdade e o seu líder diz que esta foi a "maior manifestação deste tipo que tivemos em Lisboa". Carvalho da Silva fez um discurso de mobilização contra o desemprego e por "políticas que ponham a economia ao serviço do desenvolvimento do país".

"A solução para os problemas do País e dos portugueses passa por romper com esta política", afirmou Carvalho da Silva, por entre críticas à atitude dos patrões que "aproveitam a situação para praticar ilegalidades de toda a ordem, aumentarem a exploração e a chantagem sobre os trabalhadores", ou dos que procuram "reduzir os custos do trabalho, reduzindo os salários e transferindo encargos para a Segurança Social", através do recurso ao lay-off. Carvalho da Silva não deixou de fora o aumento do número de empresas com salários em atraso nem o aumento das dívidas à Segurança Social e ao fisco.

"É preciso que os 550 inspectores do trabalho que são necessários possam entrar em funcionamento nos próximos meses, até porque não faltam candidatos em condições de desemprenhar essa função", disse Carvalho da Silva, em reacção à promessa do PS feita esta semana no parlamento de integrar 50 inspectores por ano até 2011, acrescentando a exigência que "a Autoridade para as Condições do Trabalho assuma as suas responsabilidades e combata com eficácia as ilegalidades patronais"

"Não podemos permitir que se façam mais favores ao patronato, reduzindo a taxa social única", defendeu o líder da CGTP, para quem a política seguida por sucessivos governos teve um caminho único de "pôr os trabalhadores a pagar e o grande patronato a lucrar, seja quando fizeram uma grande e injusta acumulação de riqueza, seja quando é preciso tapar os buracos da sua gestão ruinosa, como aconteceu recentemente no BPN e no BPP".

O líder da CGTP disse também que "é urgente acabar com os paraísos fiscais", e apelou à continuação da luta contra "os aspectos mais gravosos do Código do Trabalho, porque contribuem para um maior desequilíbrio das relações laborais nos locais de trabalho e para uma maior desregulação do mercado de trabalho" e contra o regime laboral da Administração Pública, também com algumas normas a serem sujeitas a verificação da sua constitucionalidade. Carvalho da Silva apelou ainda à participação dos presentes para um "grande 1º de Maio" em defesa dos direitos dos trabalhadores.

A manifestação contou com a presença de Miguel Portas e Francisco Louçã, que viu neste protesto "uma grande demonstração da força popular, que é a força da democracia de resposta ao desemprego, ao trabalho precário, ao abuso enorme que se instalou na sociedade portuguesa". "É a Galp e a EDP que têm lucros mas aumentam os preços, atingindo em particular as famílias mais pobres, são os bancos, são os juros, é o Código de Trabalho que aumenta a precariedade. A resposta a isto tem de ser este povo que fala", afirmou o deputado bloquista.

Via Esquerda.Net

domingo, março 08, 2009

"É fazer a conta!"

159,72 euros! É este o valor que os/as trabalhadores/as independentes terão agora que pagar à Segurança Social!

Este valor representa um acréscimo de quatro euros face ao anterior, que datava de Abril de 2008.

Se tivermos em conta que são quase um milhão os ‘falsos’ recibos verdes em Portugal, constatamos que o Estado arrecadará com este acréscimo quase quatro milhões de euros.

Via FERVE

sábado, março 07, 2009

Pilhas "Duracell"

Denicioso!

Não, não estou fanhoso, nem constipado! Estou é maravilhado com os erros do mui propagandeado "Magalhães"!

O FESTIVAL DE ERROS DO MAGALHÃES

Na minha modesta opinião, estas são as melhores:

* "Carrega em qualquer elemento que tem uma zona livre ao lado dele. Ele vai ir para ela."

* "Ao princípio do jogo 4 sementes são metidas em cada casa. O jogadores movem as sementes por vês. A cada torno, um jogador escolhe uma das 6 casas que controla. (...) Se a última semente também fês um total de 2 ou 3 numa casa do adversário, as sementes também são capturadas, e assim de seguida. No entanto, se um movimento permite de capturar todas as sementes do adversário, a captura é anulada (...). Este interdito é ligado a uma ideia mais geral, os jogadores devem sempre permitir ao adversário de continuar a jogar."

* "Quando o tangram for dito frequentemente ser antigo, sua existência foi somente verificada em 1800."

Sócrates bem procurou mas não encontrou nenhuma destas "calinadas"!

sexta-feira, março 06, 2009

Agora não, que eu acho que não posso...

Em notícia publicada ontem, no Público, já se previa que o PS não aprovasse, hoje, na AR, as propostas da oposição sobre as taxas moderadoras. Até aqui tudo bem, já se sabe que este governo não gosta de ideias alheias! O problema reside no facto de, mais tarde, pegar nas ideias dos outros e impô-las passados alguns meses!
Já tinha acontecido o mesmo com o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a 10 de Outubro do ano passado (o vídeo do post abaixo dá conta disso mesmo)!
Hoje, aconteceu exactamente a mesma coisa com o projecto de lei do B.E. para acabar com as taxas moderadoras nos internamentos/cirurgias e com as outras propostas da oposição!
Mais uma vez, o PS chumbou uma proposta que diz querer aplicar em 2010, como ficou claro com a recomendação feita, ontem, pelo grupo parlamentar do PS (que propôs ao governo "fazer uma avaliação global" da questão, de modo a mudar a lei em 2010).
Como se não bastasse, o vice-presidente da bancada do PS, José Junqueiro, criticou ontem as iniciativas da oposição porque, segundo palavras do próprio, não têm efeitos práticos em 2009!!!

Ora, eu que gosto de coisas práticas (e que tenho consciência que o tempo é relativo) pergunto:
"Não era melhor mudarem já a lei do que alterá-la só em 2010?"

É que assim (a ser aprovada só em 2010) os efeitos práticos de que falava Junqueiro só serão visíveis em 2011.

O PS parece esquecer que o tempo, para além de relativo, também é psicológico!!! Haja pachorra até Outubro!!!