sexta-feira, janeiro 26, 2007

A união faz a força!



Porque o que se faz de bem neste país também merece ser realçado, podemos afirmar que as acções cívicas levadas a cabo por cidadãos anónimos não caíram em saco roto. Desta vez, foi a famigerada TLEBS a levar uma machadada, (que eu espero que seja a final) uma vez que o ME resolveu suspendê-la!
Depois de vários meses de polémica, com detalhes tão "macabros" como os que o Pedro Silva revelou no Armadilha, e perante a petição que foi assinada por 8132 pessoas, os cidadãos ganharam mais uma batalha contra a máquina ministerial/governamental!
No entanto, isso não impediu a APP de pôr, ontem, no Fórum do País da RTPN, duas aves raras a defenderem o tacho que lhes foi atribuído! Apesar disso, o debate foi bastante elucidativo pois em cada intervenção que os "artistas" da APP fizeram (peço desculpa mas não me lembro dos seus nomes), acabaram por se "enterrar" ainda mais. Chegaram mesmo ao ponto de afirmar que, em Portugal, não está estabelecido para todos os alunos o que é um Sujeito e um Predicado!!! O que vale é que já quase no fim do debate até a moderadora Magda Rocha lhes deu nas orelhas...
Do lado do contra, tivemos a GRANDE Maria Alzira Seixo que fez corar de vergonha um dos representantes da APP (que, pelos vistos, estava encarregado de fazer a revisão da TLEBS) ao denunciar que a esposa do mesmo fazia parte da equipa que a elaborou! Ora, "se os professores não podem dar aulas aos familiares" (e este foi o argumento utilizado por Alzira Seixo), sejam lá eles de que grau forem, como é que se explicava que o rapaz em questão fosse o "advogado e juíz da causa da mulher"???

Enfim, muito mais haveria para dizer mas fica o essencial: o ME suspendeu a TLEBS, suspendeu-a por não ter mais maneiras de justificar o injustificável, e, em grande parte, devemos isso à petição que foi entregue hoje!!!

Não leu o livro que ensina a contra-argumentar

Existe uma curiosa disputa entre Marcelo Rebelo de Sousa e Francisco Louçã, disputa essa disponível no You Tube. O mais curioso é que o "intelectual" Rebelo continua com alguns tiques Salazarentos, esses tiques são uma atroz incapacidade para contra-argumentar, a contra-argumentação tem um pressuposto base que é o de responder ao argumento colocado, caso não o faça falamos de um novo argumento que muitas vezes serve para não ter de abordar o anterior. Quando os intelectuais da nossa direita apresentam esta incapacidade, acho que diz bem de como a nossa direita ainda tem resquícios vívidos da tradição anti-democrática, simplesmente ainda não adquiriram a natural disponibilidade democrática para trocar argumentos com quem apresenta argumentos diferentes.
Mas vejamos os vídeos por ordem:


A lei não está a ser aplicada




Francisco Louçã responde a Marcelo Rebelo de Sousa




Resposta a Francisco Louçã





Para já se atentarmos nas palavras de Marcelo no primeiro vídeo, ficamos a saber que ele tem "muito bom amigo" que diz "...tu tens razão quanto ao voto, de facto, de um lado a vida humana de outro uma escolha deste genéro sem justificação, sem causa...é pesado."
Para já ficamos a saber que "muito bom amigo" do Marcelo é estúpido, por outro ficamos a saber que Marcelo tem uns amigos que, tendo uma opinião diferente, têm uma argumentação muito conveniente à causa do Marcelinho. Eu desconfio sinceramente que Marcelo com tantos livros que lê não tenha tempo para ter "muito bom amigo", logo não será que ele tem uns amigos imaginários que dizem o que ele quer ouvir?? Salazar também pensou que estava no poder, mesmo quando não estava, há aqui um padrão qualquer...
De seguida brinda-nos com os seus discursos populistas, fáceis e baratos, aparentemente está preocupado com a não aplicação de uma lei mais abrangente, ou seja o rapaz que defende a despenalização e não a liberalização está preocupado que a mulher não seja punida, isto é tão básico que choca, mas é a direita que temos, e pelos vistos esta é a intelectual. A realidade é que Marcelo acha que à parte de algumas excepções previstas na lei, a mulher que livremente opte por abortar deve ser punida, simplesmente Marcelo não sabe como dizer isso de forma frontal, por isso tenta brindar-nos com aparentes incongruências do SIM, mas aonde apenas se descobre as suas. Além disso, se repararmos nas argumentações de Marcelo ele muitas vezes recorre ao "parece-me dificil que", "não me parece que", "dificilmente vai ser possível", ou seja especulação em relação ao futuro pouco consubstanciadas.

Entretanto Louçã responde, reconhecendo que houve algumas evoluções positivas por parte de Marcelo na abordagem à questão, no entanto continua a existir uma incongruência lógica que é a de defender a despenalização das mulheres em simultaneidade com a manutenção da lei vigente.

A resposta de Marcelo é talvez a demonstração cabal da incapacidade de Marcelo para ser um verdadeiro democrata e argumentar, opta então por não responder à questão.
Mas enfim, devaneios fora ficam uns argumentitos que são brincadeiras de português para parvo engolir, então Marcelo brinda-nos com esta bela parábola da Liberalização vs Despenalização de forma a cobrir a incoerência com que este nos brinda na sua argumentação. O truque está na palavra, a palavra liberalização para os mais desatentos sugere que vai haver IVGs com a criancinha quase a nascer, depois é uma palavra que foi introduzida no debate público já com uma carga negativa. Por que o que efectivamente vai acontecer é que a mulher vai ter a liberdade para até às dez semanas optar por prosseguir com a gravidez ou não, e isso meus caros é a liberalização até às dez semanas. Mas é um belo truque porque se falarmos na liberdade de escolha da mulher ainda se aceita, agora se dissermos liberalização (até às 10 semanas) o céu fica negro, e caem trovões. Portanto a questão que Marcelo joga é mesmo com a desinformação, visto que falando na liberalização até às 10 semanas pretende nada mais do que surja no debate a liberalização total (com a qual nem eu concordo). Marcelo apresenta-se assim como mais um populista de uma qualquer campanha do NÃO, apenas mais requintado e elaborado na patranha, portanto estamos perante um vigarista de estatuto médio. Porque sejamos claros, a liberalização até às 10 semanas vai acontecer, e assim o deve ser, a mulher dever ter a liberdade (daí a palavra liberalização) para poder optar no período compreendido entre as dez semanas.

quarta-feira, janeiro 24, 2007

Incrivelmente engraçado!



Devo confessar que sou fã da série "The Simpsons" desde que ela apareceu em Portugal (mais ou menos há quinze anos atrás)... e uma das coisas que sempre me fascinou foram as vozes dos bonecos (para além das histórias, das "bocas" que vão mandando uns aos outros e da maravilhosa disfuncionalidade daquela família!)

Quando descobri estes vídeos no Youtube, fiquei estupefacto não por causa de ver os actores de carne e osso a fazerem as vozes dos bonecos, mas porque percebi finalmente quem interpretava quem (pois até aqui sempre tinha associado as vozes a uma personagem fictícia) e que cada actor faz um número considerável de vozes!!!
Sendo assim, senti-me estranhamente divertido porque não estava habituado a ouvir/associar estas vozes a estas caras...

Como este ano (lá para Julho) estreia The Simpsons Movie, deixo, como aperitivo, os vídeos dos actores Dan Castellaneta, Harry Shearer, Julie Kavner, Hank Azaria, Nancy Cartwright e Yeardley Smith a interpretarem as vozes das personagens que os tornaram universalmente famosos!







sábado, janeiro 20, 2007

Que soem as trombetas!!!



Era desta forma que Rui Unas anunciava algo importante, no tempo em que ainda apresentava o CC... resolvi aproveitar a frase para anunciar que Carlos Abreu Amorim, Daniel Oliveira, Fernanda Câncio, Helena Matos, Ivan Nunes, Joana Amaral Dias, Luís M. Jorge, maradona, Miguel Vale de Almeida, Pedro Adão e Silva, Ricardo Araújo Pereira, Rui Tavares, Vasco M. Barreto e Vasco Rato inauguraram ontem um blog a favor do SIM no referendo!
Está, então, cumprido o serviço público (ou a publicidade tendenciosa, se preferirem) e espero que dia 11 não me obriguem a esperar mais 10 anos para votar outra vez a lei!

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Sim porque não

Agora que nos aproximamos do referendo a campanha torna-se bastante elucidativa e nenhuma tem sido tão elucidativa como a do NÃO, isto porque a campanha do NÃO tem feito mais pelo SIM do que alguma vez o próprio possa conseguir (estou a ser injusto para com os movimentos pelo sim, mas quis frisar a imensa estupidez com esta hipérbole). A aviltante estupidez que brota dos argumentos panfletários das campanhas a favor do NÃO leva o mais distraído a suspeitar que o SIM deve ser a opção certa, eu sei, a estupidez é extremamente atractiva e os portugueses também nutrem algum carinho por essa bela forma de estar na vida, mas em exagero pode dar overdose e pode raiar a luz da razão e da sensatez nas mentes mais escuras deste terraço de pategos.
Obviamente podemos estar tristes porque se a campanha do NÃO dá um belo impulso à do SIM por outro diminui e estrangula, de forma significativa, as hipóteses de uma discussão séria, racional e científica.
Mas aquilo que posso dizer é que este é um tema sério demais para ter na "oposição" um amontoado de crentes que pouco mais sabe fazer do que ser mais ovelha do que o comum mortal já é.
Assim somos confrontados com argumentos económicos que apelam ao sentimento mais mesquinho do português, fetos falantes e quiçá capazes de escrever um ensaio sobre a questão existencialista, mulheres terroristas a abortar em Portugal...e uma data de coisas que só mesmo mentes retorcidas são capazes de elaborar.
Nem sequer me vou debruçar sobre a questão de fetos falantes e sobre essas "terroristas" que para aí andam, talvez o argumento mais perigoso resida mesmo no económico, isto porque o tuga em virtude de ser mesquinho acaba por ser mais pobre...a todos os níveis. Ora iremos ter um acréscimo de despesas na saúde para subsidiar os abortos, parece ser este o grande trunfo vindo de elementos que se pautam por critérios meramente espirituais e desfasados da matéria vil e conspurcadora...só aí já começa a ser interessante. Mais interessante é que :

1. O aborto clandestino é muito mais caro que o aborto legal, isto porque aqueles que o executam num regime de clandestinidade cobram elevados preços em virtude dos riscos que correm, ou pura e simplesmente porque a mulher está numa situação vulnerável e mais predisposta a exploração.

2. O aborto só sairá mais caro para aqueles que nunca o executarem, logo o argumento de este ser um mecanismo caro é claramente um apelo à não solidariedade dos portugueses, que não contribuam nas despesas de saúde num esforço colectivo.

3. Que crentes também recorrem a esta opção.

4. Que sai efectivamente mais barato enquadrar o aborto no SNS, isto porque ao o fazer estamos a diminuir drasticamente as complicações pós aborto que a mulher terá e que entrariam nas despesas do SNS, além disso existiria um quadro pedagógico em que a mulher seria aconselhada nos métodos e em mecanismos eficazes de planeamento familiar.

5. Que os movimentos do NÃO ao estarem a recorrer a este argumento estão a recorrer à mentira que parece ser algo altamente condenável na moral católica...

Mas esquecendo estes argumentos mesquinhos pensemos no porquê da despenalização até ás 10 semanas:

. A liberdade da mulher prevalece sobre a possibilidade de um feto vir a ser uma pessoa.

. A vida é um conceito híbrido de ciência e filosofia, assim dizemos que a a planta é um ser vivo mas não condenamos alguém que pise esse amontoado de células sem capacidade de processar informação ou sentir dor. O animal é um ser vivo, não prendemos os carnívoros...a vida é vida, agora o que se discute aqui é o que a vida é para nós e isso não engloba discussões que utilizem um referencial externo ao Homem (deus) como argumento.

. A aceitação deste código penal implica que aceitamos a prisão de mulheres que voluntariamente interrompam a sua gravidez antes das dez semanas.

. Não aceitamos que em “conflito de interesses” se sujeite um ser com vontade, sensibilidade e sentimentos a um feto incapaz de discernir o quer que seja. Caso contrário levamos os camarões a parlamento para discutir as questões da pesca.

. Ser a favor do SIM não é ser a favor do aborto, é ser a favor das mulheres, da liberdade, do ser humano enquanto ser pensante.


Caso o leitor ainda esteja confuso estou certo que os vídeos seguintes elucidarão sobre a questão...








terça-feira, janeiro 02, 2007

Ano Novo... Humor Escatológico

Não será bem assim, nem quero com este título dar o mote para o resto do ano, mas neste blog sempre nos batemos por alternativas (sejam lá elas de que natureza forem), por isso aí ficam entrevistas/episódios alternativas(os) da Floribella, a.k.a. "criatura com ar de morsa abandonada pela progenitora"!
Um verdadeiro pagode!
Depois de os "Gato Fedorento" terem realizado inúmeras variações à volta do nome da série, deixo aqui as 3 primeiras alternativas ao desenrolar dos episódios!
Os vídeos estão todos no YouTube, bastando fazer a pesquisa com as palavras "Floribella alternativa" (o link acima faz isso automaticamente), e provavelmente, serão criados novos com o passar do tempo...