quinta-feira, abril 27, 2006

O legado de Bagão Félix



No debate ocorrido esta tarde na assembleia reparo que a direita não consegue fazer oposição, o que é naturalíssimo dada a dificuldade de se opor as suas próprias políticas.
Sobre a questão em concreto da Segurança Social, nada mais previsível, um país que criou todo um sistema que salvaguarda os direitos de quem é abastado e joga as crises com os salários e pensões de quem menos tem...só podia dar nisto. E até podia estar eu a regozijar-me porque agora iríamos mudar de rumo, mas não. A reforma da segurança social está a ser feita numa base do tipo "ou continuas a trabalhar para ter a reforma que tinhas direito pelo trabalho que já realizaste ou então...chucha no dedo."
Assim sendo não estão a ser criadas novas fontes de financiamento, está se simplesmente a obrigar quem não teve culpa no cartório a pagar a insustentabilidade da segurança social. Ora quem não teve culpa no cartório foram os que descontaram para a segurança social e não fugiram aos impostos, nessa categoria estão os tão idolatrados funcionários públicos que recebem os seus ordenados já descontados.
Então mais uma vez toma lugar nesta discussão a questão público vs privado, que não é questão meramente ideológica (embora divida claramente os aspectos ideológicos) é uma questão concreta de formas de gestão completamente diferentes. Assim sendo atente-se nas mordomias de quem quer começar um empreendimento, sabendo que quer comceçar um empreendimento não é necessariamente pobre.

Por exemplo para uma sociedade por quotas:
"Responsabilidade
Neste tipo de sociedade a responsabilidade dos sócios encontra-se limitada ao capital social, excepto quando o capital não se encontra integralmente realizado, caso em que os sócios são solidariamente responsáveis por todas as entradas convencionadas no contrato social. Os sócios apenas são obrigados a outras prestações quando a lei ou o contrato assim o estabeleçam. Apenas o património da sociedade responde perante os credores pelas dívidas da sociedade.
"

As empresas são taxadas através dos rendimentos que auferem os empregados, agora vejamos algumas das consequências disso mesmo:
- As empresas que menos empregam (leia-se menos riqueza criam para a sociedade) são as menos taxadas
-Este processo fomenta os baixos ordenados, os despedimentos e privilegiam as grandes empresas que se caracterizam por mais tecnologia menos mão-de-obra.
-Cria factor de desiquilíbrio no mercado (grandes empresas pouca taxação vs pequenas empresas mais taxação)

Assim sendo temos o sector privado responsável pela fuga ao fisco e evasão fiscal, responsável pelos grande número de desemprego, pela exploração do proletariado e grande contribuinte para a desigualdade social a passar pela crise com pés de lã. Aliás a crise têm servido principalmente para gerar maiores factores de concentração.
O caso particular dos bancos, entidades que não produzem mais valia nenhuma, prestam sim serviços como empréstimos, leasings, créditos habitação que são precisamente os serviços mais beneficiam com a crise. Assim sendo a crise agrava a crise porque beneficia entidades que não produzem mais valia para a sociedade (a não ser que os lucros devidamente fossem taxados), então mas afinal a actividade económica existe para gerar bens de consumo e prestar serviços à comunidade ou para satisfazer os caprichos duma minoria à custa de uma maioria?

5 comentários:

pedro silva disse...

genial jõao!
só primeira frase deste post levou-me logo a meetr este comenta´rio. a direita não consegue fazer oposição porque tem dificuldades em fazer oposição as suas próprias politicas.

Porra !
Estou invejoso!
Como raio é que não me lembrei disso...
vou plagiar-te daqui para diante.

off topic:
a tua análise a cx de comentários do 2canhoto" fez-me rebentar a rir.
de facto tens razão:pertencer a um partido e defender até a exaustão ideias estupidas de um partido apenas porque são do partido é incrivel...

João Dias disse...

A verdade, verdadinha, é que o legado se mantem...

:-(

Em relação ao canhoto:
Eu percebo que nos identifiquemos com um partido, agora entrar em contradição e dizer babuseiras para defender estratégias partidárias...fica feio.

pedro silva disse...

jõao:mas no canhoto é so aquilo que fazem.
Defender coisas indefensáveis e que entram pelos olhos dentro que não são assim

Golfinho disse...

João, e és tu de bitaites ;)

João Dias disse...

Golfinho:
Este é apenas um bitaite mais extenso do que os outros.