segunda-feira, abril 10, 2006

A Europa e o sentido de oportunidade

Bela a altura que a Europa escolheu para suspender a ajuda ao governo palestiniano, isto porque recentemente o terrorismo tem vindo dos lados israelitas. Pois é já me esquecia, não existe terrorismo de Estado, existem sim forças legitimadas democraticamente para fazer atrocidades em nome da democracia, assim sim está melhor. Após os ataques na Faixa de Gaza e na Cisjordânia a Europa decidiu de forma "sensatíssima" pedir aos palestinianos que reconheçam o Estado que lhes tem morto e explorado até ao tutano. Acho muito bem, já viram o que era vir agora exigir aos israelitas que cumprissem as fronteiras e que não atacassem de forma cruel e arbitrária? Isso era de uma falta de sensatez atroz.

Mais grave ainda:

"chegaram a acordo para que não exista qualquer contacto a nível político (com o Hamas). Os contactos serão mantidos, se necessário, a níveis inferiores, apenas em questões práticas».

O seu homólogo holandês, Ben Bot, acrescentou que a UE procurará formas alternativas de fornecer dinheiro a projectos humanitários. Ou seja, «não haverá ajuda para as organizações do Governo Hamas, mas manteremos a ajuda humanitária», indicou Bot, acrescentando que a UE"

A Europa demonstrou de forma inequívoca que a democracia é para eles apenas uma fantochada, qualquer regime que mantenha inalterados os interesses estratégicos e económicos é aceitável. Estamos a boicotar a viabilidade política ao Hamas, estamos a exercer terrorismo político. Recusam ajuda ao partido político Hamas mas continuam com a ajuda humanitária, é preciso ser hipócrita, precisamente quando se sabe que o Hamas ganhou eleições em contraste com a corrupção da Fatah e pela ajuda humanitária que exercia.


P.S. É triste ver como nós "democratas" Ocidentais somos os primeiros a boicotar os mecanismos democráticos e como um Hamas recém convertido do terrorismo para a diplomacia já dá lições na matéria a uma Europa vazia de democracia e cheia de "nadas" materiais.

1 comentário:

O Raio disse...

Tens razão no que escreves.
Mas, há mais, o problema do enriquecimento de urânio pelo Irão.
União Europeia e Estados Unidos estão contra, que horror, agora iranianos com coisas atómicas, quem é que eles pensam que são?
Infelizmente quem tem a bomba e pela calada, é Israel e nunca lhe aconteceu nada.
Teria toda a lógica iniciar conversações para travar a escalada atómica do Irão dando em troca a bomba israelita.
É que se eu fosse iraniano e se soubesse que Israel tem a bomba a´tómica, também queria uma para mim.