domingo, junho 28, 2009

Claro como água

Da leitura do Dossier de Sessão da CMA sobre a nova parceria para gestão da água pode-se concluir que:

O nivelamento do preço da água e saneamento será feito pelos tarifários mais altos. Aliás, é fundamento da sustentabilidade económica do projecto.

"Os estudos desenvolvidos até ao momento e que se anexam, permitem desde já antever que a entidade gestora da parceria será sustentável do ponto de vista económico e financeiro praticando um plano tarifário referenciado com as tarifas mais elevadas em vigor na região."

Faz "bom" uso do código de trabalho recusando os contractos colectivos.

"O estatuto do pessoal das empresas é o do regime do contrato individual de trabalho."

É incoerente e falso.

"... compatível com a obtenção de tarifas socialmente sustentáveis e num quadro de equilíbrio com os demais parceiros."

Os municípios cedem as infra-estruturas esperando contrapartidas de um modelo de gestão baseado no encarecimento da água.

"Os municípios irão usufruir de uma contrapartida pela afectação das infra-estruturas sob a forma de retribuição, a recuperar através das tarifas."

Este governo e os municipios, por extensão, são responsáveis pela adopção de um modelo de gestão das águas baseado em modelos económicos de extrema direita. E a população da região vai pagar caro por isso, literalmente.


1 comentário:

J.S. Teixeira disse...

Vejam o artigo de opinião escrito no blogue O Flamingo acerca da "tourada" que teve lugar, ontem, na Assembleia da República.